Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2016 > Plano contempla ações para conservação de peixes ameaçados de extinção da Bacia do São Francisco
conteúdo

Notícias

Plano contempla ações para conservação de peixes ameaçados de extinção da Bacia do São Francisco

Aprimorar o conhecimento sobre espécies ameaçadas de extinção e mitigar atividades de impacto para promover a conservação e a recuperação da fauna aquática da bacia do rio São Francisco. Esses são os principais objetivos do PAN São Francisco – Plano de Ação Nacional para Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna Aquática da Bacia do São Francisco –, que é coordenado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e conta com apoio de diversos parceiros, entre eles a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).
publicado: 09/05/2016 16h44, última modificação: 20/06/2018 17h34

Aprimorar o conhecimento sobre espécies ameaçadas de extinção e mitigar atividades de impacto para promover a conservação e a recuperação da fauna aquática da bacia do rio São Francisco. Esses são os principais objetivos do PAN São Francisco – Plano de Ação Nacional para Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna Aquática da Bacia do São Francisco –, que é coordenado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e conta com apoio de diversos parceiros, entre eles a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

As ações estão programadas para um prazo de cinco anos a partir da publicação da Portaria nº 34, datada de 27 de maio de 2015, que aprovou o plano. O PAN São Francisco abrange oito espécies de peixes ameaçados de extinção, entre elas o pirá, peixe-símbolo do São Francisco, e estabelece estratégias para proteção de outras seis espécies em risco e/ou quase ameaçadas.

De acordo com Cláudio Fabi, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Peixes Continentais (CEPTA), do ICMBio, entre as atividades já realizadas estão a ampliação do conhecimento do estado de conservação dessas espécies e da localização dos estoques, bem como o mapeamento das principais ações para recuperação do rio. Segundo ele, o trabalho envolve toda a bacia hidrográfica, mas, sobretudo, as regiões do Alto e Médio São Francisco.

A Codevasf obteve, no ano passado, autorização do ICMBio para realizar atividades com finalidade científica, como captura, reprodução, larvicultura, alevinagem, peixamento e monitoramento ictiológico de espécies nativas da bacia. “A portaria publicada pelo ICMBio passou a impedir o trabalho com espécies nativas de peixes do São Francisco que estão em processo de extinção. Então, a Codevasf buscou a direção do órgão para que sua equipe técnica pudesse ser habilitada a trabalhar com essas espécies. Assim, surgiu uma nova parceria: além de nos credenciarem, houve um interesse do próprio ICMBio, por meio do CEPTA, de nos convidar a participar do PAN São Francisco”, explica o diretor da Área de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Codevasf, Eduardo Motta.

Ele destaca a importância desse trabalho para a conservação das espécies: “Isso é muito importante para a Codevasf porque trabalhamos com esse enfoque ambiental e também comercial desde 1979. Diante da nossa experiência, conhecimento e expertise, não poderíamos deixar de trabalhar com essas espécies estratégicas para recuperação dos recursos pesqueiros e da ictiofauna nativa, principalmente, porque estamos levantando a bandeira internacional da preservação do pirá, peixe-símbolo do São Francisco”.

Monitoria – Na última semana, foi realizada, no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf, em Três Marias, Minas Gerais, a primeira oficina de monitoria para verificar o andamento das ações do PAN São Francisco. Participaram da reunião os analistas indicados pela Codevasf para compor a equipe técnica do PAN São Francisco: o biólogo Yoshimi Sato, do próprio Centro de Três Marias, como titular, e o analista da Unidade de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf Sede, Hermano Luiz, como suplente.

Segundo Cláudio Fabi, do CEPTA-ICMBio, além de fazer uma avaliação das atividades realizadas, o evento também foi uma oportunidade de apresentar o Plano à sociedade civil. “Os pescadores ficaram um pouco receosos em relação ao PAN São Francisco, pois, quando sai uma portaria contendo espécies ameaçadas de extinção, automaticamente fica proibida a coleta, e isso interfere diretamente na vida deles. Na apresentação, pudemos esclarecer que os fatos que culminaram no processo de extinção estão relacionados à contenção de barragens, poluição dos rios, supressão de vegetação; a pesca não é a causa principal. O nosso intuito foi buscar uma parceria para que eles nos ajudem, afinal, o nosso interesse, e o deles também, é que o rio tenha peixe”, esclareceu.

Veja imagens no perfil da Codevasf no Flickr: https://www.flickr.com/photos/codevasf/sets/72157667823645661

Ouça a entrevista do diretor da Codevasf: 

https://soundcloud.com/codevasf/diretor-de-revitalizacao-destaca-importancia-da-conservacao-de-especies-nativas-do-sao-francisco

Confira o depoimento do analista do ICMBio: https://soundcloud.com/codevasf/analista-ambiental-do-icmbio-destaca-objetivos-do-pan-sao-francisco