Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2021 > Codevasf realiza peixamento com 180 mil alevinos em três barragens do Médio São Francisco baiano
conteúdo

Notícias

Codevasf realiza peixamento com 180 mil alevinos em três barragens do Médio São Francisco baiano

publicado: 03/05/2021 10h13, última modificação: 03/05/2021 10h13

peixamento barragens BA 01A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) já realizou neste ano três ações de peixamento em barragens do Médio São Francisco baiano. Foram contempladas as barragens de Mirorós, no município de Ibipeba; Ceraíma, em Guanambi; e Estreito, localizada entre Urandi e Sebastião Laranjeiras. Ao todo foram soltos 180 mil alevinos, sendo 115 mil da espécie curimatã e 65 mil da espécie conhecida na região como piau verdadeiro. 

A ação mais recente aconteceu na barragem de Estreito — Projeto Público de Irrigação implantado pela Companhia em Urandi e Sebastião Laranjeiras. A demanda foi gerada pelo Centro Público de Economia Solidária Sertão Produtivo (Cesol). Foram soltos 60 mil alevinos. 

“O Cesol nos deu suporte para essa ação e fez o contato com a Codevasf, que é uma empresa de importância nacional. Esses alevinos beneficiarão diretamente cerca de 65 famílias”, diz Fábio Araújo, presidente da Associação de Pescadores do Estreito. O peixamento na barragem de Estreito contou com o apoio da Prefeitura Municipal de Urandi, da Câmara de Vereadores e do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do município. 

Importância ambiental, econômica e social 

Os 180 mil alevinos foram produzidos no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Xique-Xique, ligado à 2ª Superintendência Regional da Codevasf, sediada em Bom Jesus da Lapa e com atuação em 215 municípios da Bahia. A realização dos peixamentos tem contribuição da Gerência Regional de Revitalização da Codevasf em Bom Jesus da Lapa e dos escritórios da Companhia em Irecê e Guanambi. 

peixamento barragens BA 02“O peixamento tem três objetivos: ambiental, econômico e social. A parte ambiental deve-se ao fato de essas espécies já existirem na natureza; por meio da soltura dos alevinos nós aumentarmos a quantidade delas nas represas e, nos locais onde elas não existem mais, a soltura serve para que voltem a existir. A parte econômica diz respeito aos pescadores que vivem da pesca ou complementam a renda com essa atividade. E há a parte social, uma vez que muitas famílias se alimentam desse pescado, consumindo uma proteína de boa qualidade”, explica Rodrigo Bernardes, técnico da Codevasf lotado no Centro de Xique-Xique.

Peixamentos em números

De acordo com o mais recente balanço de atividades da Codevasf na área de aquicultura e recursos pesqueiros, cerca de 9,4 milhões de alevinos foram produzidos pelos Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Companhia ao longo de ano 2020. Desse total, cerca de 4,8 milhões foram utilizados em 301 peixamentos, e 4,6 milhões foram disponibilizados para ações de inclusão produtiva, como fomento à piscicultura, em benefício de cinco mil produtores em 103 municípios.

A Codevasf possui seis Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura na bacia do São Francisco, localizados em Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. As atribuições dessas unidades incluem desenvolvimento de tecnologias de reprodução artificial, ações de repovoamento de corpos hídricos, desenvolvimento de estudos de monitoramento da qualidade da água, fomento à aquicultura, desenvolvimento de pesquisas em biologia pesqueira, capacitação de produtores, pescadores e estudantes em técnicas de criação e propagação de peixes e apoio a organizações de pescadores e criadores.