Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2015 > Avançam obras no Projeto Pontal para ampliação de área irrigável
conteúdo

Notícias

Avançam obras no Projeto Pontal para ampliação de área irrigável

Com um investimento de mais de R$ 6,8 milhões, a Codevasf está incrementando a infraestrutura da área sul do perímetro de irrigação Pontal, em Petrolina, no sertão pernambucano. As novas obras foram iniciadas em outubro de 2014 e visam à implantação da tubulação final da área. Os recursos são do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no âmbito do Mais Irrigação, que é coordenado pelo Ministério da Integração Nacional.
publicado: 09/02/2015 17h27, última modificação: 20/06/2018 17h30

Com um investimento de mais de R$ 6,8 milhões, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) está incrementando a infraestrutura da área sul do perímetro de irrigação Pontal, em Petrolina, no sertão pernambucano. As novas obras foram iniciadas em outubro de 2014 e visam à implantação da tubulação final da área. Os recursos são do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no âmbito do Mais Irrigação, que é coordenado pelo Ministério da Integração Nacional.

São 770 metros da tubulação de recalque de aço-carbono com diâmetro de 1.600 mm que interligará a estação de bombeamento 2 ao início do trecho B do canal principal; mais 780 metros de tubulação de recalque com diâmetro de 1.200 mm, que interligará a estação de bombeamento 3 ao trecho C.

De acordo com o fiscal do contrato, o engenheiro civil Leonardo Cruz, analista em desenvolvimento regional da Codevasf em Petrolina, também está sendo executado o assentamento de 1.375 metros de tubulação de plástico reforçado com fibra de vidro, com diâmetro de 800 mm, somados a 1.195 metros com diâmetro de 600 mm, e outros 270 metros com diâmetro de 400 mm, totalizando 2.840 metros até o conduto forçado 3.

Já o conduto forçado 4 receberá 1.430 metros de tubulação de plástico reforçado com fibra de vidro de diâmetro de 600 mm. “Essa tubulação de plástico reforçado com fibra de vidro percorrerá 4,27 km na área do Pontal Sul nos condutos 3 e 4. As obras são referentes à construção da parte final de tubulação de recalque e dos condutos forçados do perímetro, ampliando assim a oferta de água para as áreas irrigadas do Pontal Sul”, disse o engenheiro.

Conforme o analista em desenvolvimento regional da Codevasf e supervisor de fiscalização do Projeto Pontal, Leonardo Lyra, essas intervenções vão possibilitar a irrigação de 1.168 hectares por meio da água não pressurizada localizada às margens dos módulos irrigáveis. “Hoje temos água para irrigar 2.515 hectares. Com a conclusão da obra, a área irrigada avançará dentro do perímetro”, frisou o engenheiro.

Pontal Sequeiro

Com área total de 39.167 hectares, sendo que já estão implantados 8.680 hectares (incluindo as áreas de sequeiro), o perímetro de irrigação Pontal tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento da região semiárida por meio da agricultura irrigada, dentro do conceito de sustentabilidade ambiental, incorporando 7.862 hectares ao processo produtivo. Pretende ainda elevar a produção e a produtividade das safras agrícolas, gerando renda, aumento da oferta de alimentos e propiciando a abertura de empregos diretos e indiretos.

O Pontal segue o modelo de Concessão de Direito Real de Uso (CDRU), ou seja, com uma empresa âncora, selecionada por licitação, produzindo e integrando os agricultores familiares da região. Outro diferencial no novo modelo de irrigação na região do Vale do São Francisco em Pernambuco é o Pontal Sequeiro. Segundo o engenheiro Leonardo Cruz, o Pontal Sequeiro contempla mais de 100 produtores que receberam lotes com tomada d'água. Eles têm acesso a serviços de assistência técnica e extensão rural (Ater) para aprender a produzir na área de sequeiro.

Na área, já existe uma queijaria e uma área de extrativismo de umbu, onde as agricultoras produzem geleia, mousse e poupa de umbu, além de praticar caprinovinocultura. “Para esta, foi disponibilizada uma área denominada de pulmões verdes. Nela, a forragem é produzida com uso de irrigação e destinada aos produtores da área de sequeiro. Isso garante que os animais não dependam de chuva para comer”, observa Leonardo Cruz.

Veja imagens ilustrativas no Flickr da Codevasf:

https://www.flickr.com/photos/codevasf/sets/72157650382321911/

Conheça a nova plataforma de divulgação de notícias da Rádio Codevasf:

https://soundcloud.com/codevasf