Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Revitalização Baixo São Francisco
conteúdo

Notícias

Revitalização Baixo São Francisco

A Revitalização do rio São Francisco em Sergipe receberá R$ 27,3 milhões este ano. Os investimentos beneficiarão diretamente mais de 45 mil pessoas
publicado: 26/03/2007 11h45, última modificação: 20/06/2018 17h07


A Revitalização do rio São Francisco em Sergipe receberá R$ 27,3 milhões este ano. Os investimentos beneficiarão diretamente mais de 45 mil pessoas com ações a serem executadas diretamente ou por meio de convênios entre Codevasf e Ministério do Desenvolvimento Agrário, Incra, Deso, Embrapa, Universidade Federal de Sergipe e ongs. Para  2007, os custos com as obras de esgotamento sanitário, inseridas no Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), são estimados em R$ 22,67 milhões, enquanto os demais projetos  demandam recursos da ordem de R$ 4,63 milhões.

Dentre as ações, destacam-se a implantação de sistemas de esgotamento sanitário nas cidades de Neópolis, Brejo Grande, Ilha das Flores, Propriá, Telha, Cedro de São João, Amparo  do São Francisco, Canhoba, Gararu e Canindé do São Francisco; projetos de bioengenharia para o controle de erosão; caracterização, recuperação e monitoramento de áreas degradadas na bacia do riacho Jacaré; implantação de um centro de referência em recuperação de áreas degradadas; estruturação de uma rede estadual de sementes nativas; produção agro-florestal; recuperação e utilização sustentável de pequenas várzeas localizadas nos municípios de Porto da Folha, Gararu e Amparo do São Francisco. Além disso, estão previstos projetos de recuperação de áreas florestais de incentivo à apicultura; de recuperação ambiental em assentamentos rurais; e projetos de microbacias em áreas de assentamento de reforma agrária.

O gerente de revitalização da bacia hidrográfica em Sergipe, Lindomar Leitão de Assis, revela que além dessas ações, a Codevasf está dando continuidade à elaboração de projetos básicos de esgotamento sanitário para 31 outras localidades do Baixo São Francisco sergipano. "Ao final dessa etapa, todos as sedes municipais localizadas na calha do São Francisco estarão com projetos concluídos e aptos para implantação, o que se traduz em menos impacto para a bacia", conclui o gerente.