Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Obras da Codevasf na região de Irecê serão vistoriadas por ministro da Integração
conteúdo

Notícias

Obras da Codevasf na região de Irecê serão vistoriadas por ministro da Integração

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, junto com o presidente da Codevasf, Elmo Vaz, e o diretor de Desenvolvimento Integrado e Infraestrutura da Companhia, Guilherme Almeida, visitam nesta sexta (05) na região de Irecê, na Bahia, duas importantes ações da Codevasf em andamento: o projeto Baixio de Irecê - localizado nos municípios de Xique-Xique, Sento Sé e Itaguaçu da Bahia – e o aterro sanitário intermunicipal, que irá atender a oito municípios da região em sistema de consórcio.
publicado: 05/10/2012 08h40, última modificação: 20/06/2018 17h14

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, junto com o presidente da Codevasf, Elmo Vaz, e o diretor de Desenvolvimento Integrado e Infraestrutura da Companhia, Guilherme Almeida, visitam nesta sexta (05) na região de Irecê, na Bahia, duas importantes ações da Codevasf em andamento: o projeto Baixio de Irecê - localizado nos municípios de Xique-Xique, Sento Sé e Itaguaçu da Bahia – e o aterro sanitário intermunicipal, que irá atender a oito municípios da região em sistema de consórcio.

O Baixio de Irecê é um dos projetos públicos de irrigação atualmente em implantação pela Codevasf. Com investimento total estimado em R$ 1,4 bilhão, o empreendimento terá uma área irrigável de 54 mil hectares divididos em lotes empresariais e para pequenos e médios produtores, além de uma reserva ambiental de 31 mil hectares e uma área de 19 mil hectares de sequeiro, mas que poderá também ser irrigada. A primeira etapa, com aproximadamente 4.773 hectares, e as obras civis da segunda etapa, que irá totalizar cerca de 19 mil hectares, já estão sendo finalizadas.

Com a conclusão do projeto, a expectativa é de que sejam gerados cerca de 5 mil empregos diretos e milhares de empregos indiretos, beneficiando toda a região. Além disso, a agricultura irrigada permitirá alta produtividade, introdução de culturas mais lucrativas e utilização de tecnologias para conservação e melhoria dos solos. Dentre as culturas a serem exploradas no projeto destacam-se abacaxi, abóbora, algodão, banana, cebola, coco, feijão, goiaba, limão, mamão, maracujá, milho, melancia, melão, pimentão, tangerina, tomate e uva. Também será montado um polo energético para a produção de oleaginosas como cana-de-açúcar, pinhão manso, dendê, soja e mamona, entre outras.

Já o aterro sanitário de Irecê é uma obra de R$ 3,5 milhões executada numa parceria da Codevasf com a prefeitura de Irecê – município que fica a 468 km de Salvador e pertence à região do Médio São Francisco, na Chapada Diamantina setentrional. A construção do aterro integra o Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente em parceria com o Ministério da Integração, e conta com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Os municípios beneficiados com o aterro numa primeira etapa são, além, de Irecê, João Dourado, Central, Jussara, Lapão, Presidente Dutra, São Gabriel e Uibaí, totalizando 131 mil habitantes beneficiados. A obra está com 98% da execução física concluída.

O aterro terá capacidade de acumular cerca de 1,3 milhão de metros cúbicos de resíduo sólido urbano, promovendo a proteção das águas superficiais, subterrâneas e também do solo de toda a região, redução de vetores e outros agentes de doenças, eliminação dos odores, diminuição de riscos à saúde ocupacional dos catadores; redução da contaminação, por via hídrica, de alimentos e da criação de gado alimentado com resíduos contaminados, entre outros benefícios.

Convivência com o semiárido

Além do Baixio e do aterro sanitário, a Codevasf também mantém, na região de Irecê, o Centro de Capacitação em Bases Tecnológicas para o Semiárido (Cebatsa). Localizado em Itaguaçu da Bahia, o Centro tem o objetivo de desenvolver tecnologias adaptadas à convivência com o semiárido e a disseminação destas para as pequenas propriedades familiares nessas regiões, sobretudo aquelas voltadas para a ovinocaprinocultura. Desde que iniciou suas atividades, já foram capacitados cerca de 3 mil jovens e produtores rurais de mais de 25 municípios circunvizinhos.

O Centro possui área de 310 hectares, contando com alojamento, refeitório, centro de convivência, auditório, salas de aula, quadras de manejo e unidades de demonstração para aulas práticas de criação de caprinos e ovinos na caatinga. O local tem capacidade para atender 600 alunos por ano.

Em 2012, o Centro, que converge com as propostas da Inclusão Produtiva no âmbito do Plano Brasil Sem Miséria como um espaço adequado à disseminação de tecnologia de produção de caprinos e ovinos adaptada à caatinga e de convivência com o semiárido, foi inserido na Rota do Cordeiro. Em dezembro de 2011, com a sinalização da disponibilidade dos recursos por parte da Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional (MI) foi realizada a licitação objetivando serviços de reforma do local, que atualmente estão em execução.