Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Microbacia Rio de Ondas
conteúdo

Notícias

Microbacia Rio de Ondas

A Codevasf, juntamente com a Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Clube do Plantio Direto, a Secretaria de Agricultura do município de Luís Eduardo Magalhães (BA) e a Embrapa Solos, está desenvolvendo um projeto de conservação de água e solo
publicado: 24/05/2007 15h29, última modificação: 20/06/2018 17h07


A Codevasf, juntamente com a Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Clube do Plantio Direto, a Secretaria de Agricultura do município de Luís Eduardo Magalhães (BA) e a Embrapa Solos, está desenvolvendo um projeto de conservação de água e solo que envolve a construção de microbarragem, estradas ecológicas e sistemas agroflorestais na área da microbacia do rio de Ondas, que é um importante afluente do rio Grande.

O programa visa à criação de uma nova sistemática de exploração da área, preservando o meio ambiente. Já foram investidos cerca de R$ 600 mil e agora será investido mais R$ 1 milhão. Essa é mais uma ação do Programa de Revitalização das Bacias do São Francisco e do Parnaíba.

Segundo o diretor da Área de Revitalização das Bacias Hidrográficas, Jonas Paulo Neres, o programa é referência na área de intervenção do bioma cerrado. "É um laboratório para experiências, inclusive com apoio de entidades e de órgãos que já fizeram o mesmo trabalho nas nascentes em Minas Gerais para recomposição ambiental de microbacias", completa.

O diretor ressalta que esse laboratório será implantado em todas as bacias do cerrado na área do São Francisco, principalmente no cerrado baiano, bastante desgastado pela agricultura intensiva e pelo agronegócio. As microbacias que compõem as sub-bacias do Corrente, do Carinhanha e do rio Grande são responsáveis por 27% das águas do São Francisco, no estado da Bahia. Essa ação vai garantir os mananciais, a estrutura natural de fornecimento de água, a preservação do solo, o ordenamento do uso agrícola das terras, a recuperação de áreas degradadas e que sofreram processo de erosão e a construção de uma nova forma de fazer a exploração agrícola no cerrado. O assentamento do rio de Ondas tem 13 mil hectares e abriga 250 famílias.