Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Delegações africana e do Banco Mundial estudam modelo de PPP em Petrolina
conteúdo

Notícias

Delegações africana e do Banco Mundial estudam modelo de PPP em Petrolina

Durante o inicio deste mês de agosto, esteve em visita ao vale do São Francisco uma delegação de Gana formada por representantes dos Ministérios da Alimentação e Agricultura e das Finanças e do Planejamento Econômico, Agência de Proteção Ambiental, Comissão de Terras e Centro de Promoção e Investimento, além de membros do GIDA (Irrigation Ghana Development Authority) e do Banco Mundial.
publicado: 10/08/2011 15h23, última modificação: 20/06/2018 17h11

Durante o inicio deste mês de agosto, esteve em visita ao vale do São Francisco uma delegação de Gana formada por representantes dos Ministérios da Alimentação e Agricultura e das Finanças e do Planejamento Econômico, Agência de Proteção Ambiental, Comissão de Terras e Centro de Promoção e Investimento, além de membros do GIDA (Irrigation Ghana Development Authority) e do Banco Mundial.

Os africanos demonstraram à Codevasf o interesse em vir ao Brasil com a intenção de trocar conhecimentos relacionados a Parceria Público-Privada (PPP), modelo que está sendo proposto em Petrolina, no Projeto Pontal. Projetista do governo de Gana, Stephen Debree revelou que seu país tem a intenção de trabalhar com PPP em irrigação e vê no Brasil uma possibilidade de aprendizado. “Nós vimos que existe esse grande trabalho no Pontal. Observá-lo nos ajudou bastante. Essa troca vai melhorar a qualidade do pacote PPP proposto em Gana e, finalmente, alavancar o investimento privado na agricultura”, revelou Debree.

Ao longo da visita a delegação esteve nos perímetros irrigados Senador Nilo Coelho e Bebedouro, na Embrapa e na Codevasf, onde puderam ter suas dúvidas esclarecidas e conhecer um pouco mais do trabalho feito no vale. “Nós sabemos da importância dessas instituições para a região. Ter esse diálogo com elas foi fundamental para que voltemos com dados mais precisos, mais reais. Só assim poderemos organizar um plano mais completo para Gana”, revelou Artur Villanueva, estudante, pesquisador da Universidade de Harvard e funcionário do Banco Mundial.