Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Codevasf e Chesf realizam troca de reprodutores de espécies nativas do São Francisco
conteúdo

Notícias

Codevasf e Chesf realizam troca de reprodutores de espécies nativas do São Francisco

Os Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf de Xique-Xique (2º/CIX), na Bahia, e de Itiúba (5º/CII), em Porto Real do Colégio, Alagoas, e a Estação de Piscicultura da Chesf localizada em Paulo Afonso (BA), trocaram espécimes de peixes da bacia do rio São Francisco. Os animais serão utilizados como matrizes e reprodutores para os trabalhos de repovoamento e preservação da ictiofauna do “Velho Chico” praticados por essas unidades.
publicado: 24/05/2011 11h22, última modificação: 20/06/2018 17h10

Os Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf de Xique-Xique (2º/CIX), na Bahia, e de Itiúba (5º/CII), em Porto Real do Colégio, Alagoas, e a Estação de Piscicultura da Chesf localizada em Paulo Afonso (BA) trocaram espécimes de peixes da bacia do rio São Francisco. Os animais serão utilizados como matrizes e reprodutores para os trabalhos de repovoamento e preservação da ictiofauna do “Velho Chico” praticados por essas unidades.

O 2º/CIX recebeu reprodutores de curimatá-pacu do 5º/CII e enviou para esse centro e para a estação da Chesf cerca de 400 espécimes de peixes nativos (quase todos adultos) de surubim, dourado, matrinxã, piau verdadeiro e mandi amarelo.

Na avaliação do engenheiro de pesca Miguel Arcanjo, da Chesf, o êxito do trabalho está pautado na disponibilidade, quantidade e qualidade dos reprodutores utilizados e que, nesse quesito, o 2º/CIX está em uma localização privilegiada, onde ainda é possível capturar reprodutores com boa genética em número considerável. O profissional ainda ressaltou a importância da parceria entre as duas companhias nessa iniciativa, possibilitando uma troca de experiências que pode resultar em benefícios para ambas e para os ribeirinhos.

Para o chefe do Centro de Itiúba/5º CII, engenheiro Álvaro Albuquerque, há que se destacar o material genético das espécies nativas do São Francisco e, com isso, favorecer a pureza dos plantéis dos centros integrados da Codevasf. “Essa pureza reverte-se em benefícios na produção de alevinos voltados à piscicultura comercial e na recomposição da fauna do Baixo São Francisco, que é sistematicamente realizada no rio, em mananciais e em áreas de preservação ambiental”, acrescentou.