Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2006 > Peixamentos marcam ações da Codevasf pelo meio ambiente
conteúdo

Notícias

Peixamentos marcam ações da Codevasf pelo meio ambiente

Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, a 5ª Superintendência Regional da Codevasf, com sede em Penedo (AL), promoveu o repovoamento do Vale do São Francisco com mais de 1 milhão de alevinos. Esta é uma das ações da Codevasf dentro do Programa de Revitalização do chamado “Rio da Integração Nacional”.
publicado: 05/06/2009 11h11, última modificação: 20/06/2018 17h04

Na semana em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente (5 de junho), a 5ª Superintendência Regional da Codevasf, com sede em Penedo (AL), promoveu o repovoamento do Vale do São Francisco com mais de 1 milhão de alevinos. Esta é uma das ações da Companhia dentro do Programa de Revitalização do chamado “Rio da Integração Nacional”.

Em Alagoas, uma da iniciativas nesse sentido têm sido os peixamentos de alevinos juvenis de espécies nativas no curso do rio, nas lagoas marginais e em açudes públicos e comunitários para inclusão social do homem do campo. Somente em 2008, foram colocados nas águas do baixo São Francisco alagoano mais de 7 milhões de alevinos.

PIRANHAS

O primeiro peixamento na Semana do Meio Ambiente foi realizado na última quarta-feira (03), em meio às comemorações dos 122 anos de emancipação política do município de Piranhas, com cerca de 600 mil alevinos de espécies nativas. Além disso, foi realizado, pelo Instituto Xingó, o povoamento de 6 mil larvas de pitú, espécie ameaçada de extinção no Velho Chico. Os pescadores do baixo São Francisco, principais beneficiados pelo aumento de peixes, comemoram a possibilidade de continuar retirando a renda da família do rio.

“Tenho 74 anos, passei minha vida pescando nesse rio e, dia após dia, via os peixes desaparecendo. Hoje estou aposentado, mas meus filhos continuaram como pescadores e, com essa quantidade de alevinos que sempre é colocada no rio, eu tenho esperança que eles possam sustentar suas famílias com o peixe que eu levava para eles antigamente”, declarou o pescador aposentado Manuel Vinute.

Ele ainda afirmou que, há três décadas, pescava no rio São Francisco e que, depois de anos de sumiço do pescado, começa a ver uma realidade melhor. “Eu saía para pescar e voltava com 20 peixes. Depois de um tempo, comecei a voltar para casa somente com um, quando tinha sorte. Hoje você já pode ver que tem aumentado a quantidade de pescado”, comemorou.

A mesma esperança e satisfação são sentidas pelo pescador Cláudio Nogueira na margem do São Francisco em Piranhas. “Quanto mais alevinos colocarem no rio, mais peixes nós vamos ter”, deduz com a simplicidade e sabedoria que a vida retirada da pesca lhe proporciona. “Eu retiro minha vida desse rio e, com mais pescado, mais vida dentro das águas, será mais vida aqui fora”, concluiu.

Para a prefeita de Piranhas, Mellina Freitas, a parceria do poder púbico municipal com a Codevasf é uma satisfação para a população. Segundo ela, os peixamentos realizados no Velho Chico são os primeiros passos para a revitalização do rio. “Os principais beneficiados por essa parceria serão as comunidades ribeirinhas e a população em geral, que passam a contar com um rio povoado pelo pescado”, destacou.

O desenvolvimento da piscicultura no baixo São Francisco é um objetivo perseguido pela Codevasf segundo o superintendente regional da Companhia em Alagoas, Antônio Nelson de Azevedo. “O desafio da Codevasf é aumentar a inserção de alevinos no rio São Francisco por meio dos peixamentos, e isso será concretizado com a conclusão do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Alagoas (CERAQUA/SF) em 2010”, afirmou.

O superintendente ainda citou outras ações desenvolvidas pela Codevasf no vale do São Francisco alagoano para fortalecimento da piscicultura como atividade econômica. “Dentro de pouco tempo, estaremos colocando em funcionamento a Unidade de Beneficiamento de Pescado (UBP) de Penedo, que se encontra em processo de licitação para concessão de uso. Além disso, estamos finalizando a UBP de Pão de Açúcar. Essas ações reunidas permitirão que o peixe produzido em Alagoas seja exportado para grandes centros consumidores, inclusive para o mercado exterior”, explicou.

CORURIPE

O segundo peixamento foi realizado na última quinta-feira (04), em afluentes do rio São Francisco no município de Coruripe, como parte da IV Semana Interna de Meio Ambiente da Usina Coruripe. Na ocasião, foram inseridos cerca de 500 mil alevinos que deverão impulsionar a piscicultura da região. Todos os anos, a Codevasf é convidada a apresentar suas ações para o desenvolvimento regional do vale do São Francisco alagoano e, ao final, realiza peixamento.

O diretor agrícola da Usina Coruripe, Cícero Almeida, agradeceu a parceria com a 5ª Superintendência Regional da Codevasf na recuperação da ictiofauna da região. “Esse trabalho realizado pela Codevasf é uma semente plantada para o futuro”, resumiu.

Para o coordenador de gestão ambiental da empresa, Valdir Gomes Costa, a participação da Companhia durante todas as edições da Semana Interna de Meio Ambiente demonstra o respeito mútuo que o trabalho socioambiental desenvolvido pela duas organizações detém. “Quando fazemos ações em parceria, as empresas envolvidas passam a se conhecer melhor. Essa parceria também está presente em outras esferas, a exemplo do conselho gestor da área de proteção ambiental (APA) do Marituba do Peixe, no qual Codevasf e a Usina Coruripe possuem assento”, afirmou.

Outro peixamento já está agendado pela Codevasf para acontecer no próximo dia 19 de junho, a partir das 10 horas, na Várzea do Marituba do Peixe, entre os municípios de Penedo, Feliz Deserto e Piaçabuçu, com o repovoamento de 500 mil alevinos. A Marituba do Peixe, conhecida como Pantanal Alagoano, é um dos maiores berçários de espécies nativas do rio São Francisco e recebeu, em 2008, um milhão de alevinos nos peixamentos realizados pela Companhia.