Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2006 > Adutora vai dobrar distribuição de água em municípios do sudoeste baiano
conteúdo

Notícias

Adutora vai dobrar distribuição de água em municípios do sudoeste baiano

Cerca de 115 mil pessoas serão beneficiadas com água tratada em Guanambi, Candiba e Pindaí, municípios do sudoeste da Bahia, graças à implantação de uma adutora de 16,7 quilômetros entre o Poço do Magro e o canal de irrigação da Barragem de Ceraíma. Antes, a população dessas localidades vivia ameaçada por um colapso no fornecimento durante os períodos de estiagem. A nova adutora irá, portanto, complementar o volume de água necessário para abastecer essas cidades e os povoados de Vila dos Colonos, Vila Morrinhos, Pilões e Ceraíma.
publicado: 21/05/2009 14h38, última modificação: 20/06/2018 17h04

Cerca de 115 mil pessoas serão beneficiadas com água tratada em Guanambi, Candiba e Pindaí, municípios do sudoeste da Bahia, graças à implantação de uma adutora de 16,7 quilômetros entre o Poço do Magro e o canal de irrigação da barragem de Ceraíma, que é a principal fonte de abastecimento dessas localidades. Antes, a população vivia ameaçada por um colapso no fornecimento durante os períodos de estiagem. Agora, a nova adutora irá complementar o volume de água necessário para essas cidades e os povoados de Vila dos Colonos, Vila Morrinhos, Pilões e Ceraíma.

O investimento, da ordem de R$ 9 milhões, foi fruto de uma parceria entre a Codevasf e a Empresa Baiana de Água e Saneamento (Embasa). A estrutura inclui, além da adutora, um reservatório de 500 mil litros, próximos ao canal de irrigação de Ceraíma, e quatro elevatórias (bombas), que garantem a captação de 150 litros por segundo para a estação de tratamento de Guanambi. Antes da conclusão da obra, a Embasa só conseguia distribuir 94 litros de água por segundo à região e, agora,  com a contribuição da água de Poço do Magro, pode chegar a distribuir 209 litros por segundo.

Obras - A barragem de Poço do Magro, inaugurada em 2005, foi outra obra importante construída pela Codevasf. O reservatório tem capacidade para acumular 37 milhões de metros cúbicos e custou à Companhia R$ 16,5 milhões. No mesmo ano da inauguração, foi efetuado convênio com a Embasa para construção da adutora até a estação de tratamento de Guanambi.