Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2006 > Exército Brasileiro entra na Revitalização do rio São Francisco
conteúdo

Notícias

Exército Brasileiro entra na Revitalização do rio São Francisco

Foi apresentado, hoje, ao Exército Brasileiro, em Brasília, as ações de curto prazo voltadas à revitalização do rio São Francisco. A explanação técnica foi feita aos generais, comandantes e oficiais superiores da Diretoria de Engenharia, Obras e Construção (DEC), com a presença do presidente da Codevasf, Luiz Carlos Everton de Farias e do diretor da Área de Engenharia da Companhia, Clementino Coelho. O engenheiro naval da Fundespa (Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas), Joaquim Carlos Teixeira Riva, empresa que presta consultoria à Codevasf, explicou os principais pontos que devem ser trabalhados a partir da parceria com o Exército.
publicado: 03/08/2006 17h15, última modificação: 20/06/2018 16h59

Foi apresentado, hoje, ao Exército Brasileiro, em Brasília, as ações de curto prazo voltadas à revitalização do rio São Francisco. A explanação técnica foi feita aos generais, comandantes e oficiais superiores da Diretoria de Engenharia, Obras e Construção (DEC), com a presença do presidente da Codevasf, Luiz Carlos Everton de Farias e do diretor da Área de Engenharia da Companhia, Clementino Coelho. O engenheiro naval da Fundespa (Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas), Joaquim Carlos Teixeira Riva, empresa que presta consultoria à Codevasf, explicou os principais pontos que devem ser trabalhados a partir da parceria com o Exército.

“Não há como fomentar o desenvolvimento da região, sem a revitalização do Rio”, garantiu. O Exército será o executor na realização de uma série de obras que irá trazer de volta a revitalização do rio. “O Exército é imprescindível nesse processo, queremos que a revitalização do rio São Francisco seja uma questão de segurança nacional”, explicou o diretor Clementino Coelho. Desde 1999, está sendo executada, uma série de ações e intervenções visando a recuperação físico-ambiental do leito fluvial. Rivas afirmou que cerca de 40 a 50 mil pessoas vivem em vilarejos nas margens do rio, mas não sabem como tirar benefícios sem danificar o rio. O presidente da Codevasf encerrou o evento enfatizando a importância da parceria com o Exército e da realizaçãoes de ações que irão permitir a revitalização do rio, além de contribuir para a melhora da qualidade de vida de centenas de pessoas. Na avaliação do general Avena, diretor do Departamento de Obras e Construção, o Exército tem tudo a ver com o projeto, “Temos toda competência, capacidade e interesse de atuar nessa área, além de ser uma área de interesse da segurança nacional e onde podermos colaborar com o desenvolvimento nacional, que faz parte da nossa destinação constitucional”.

Na explanação, o consultor Riva destacou os principais pontos do Projeto, apontando as considerações e conclusões dos estudos realizados, mostrando as condições das margens com o impacto da degradação ambiental sobre a navegação no rio. “As condições geomorfológicas e ambientais do leito deterioram-se ano após ano. Nossas conclusões encontram-se fundamentadas em visitas e levantamentos de campo realizados periodicamente. Levantamentos físicos (batimetria e topografia), sociais e econômicos”, explica.

Ainda, segundo Riva, “se nada for realizado no curto prazo, dentro de poucos anos o rio apresentará trechos assoreados e em processo de alargamento continuado, a cada cheia anual”. Para ele, “as intervenções propostas nestes trabalhos da Codevasf não se constituirão em impactos ambientais. Serão obras vinculadas a bioengenharia, amplamente testadas nos EUA, Europa e Japão, que têm por objetivo a revitalização ou renaturalização do rio. Em suma, serão intervenções para restauração do meio ambiente”.