Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2005 > Codevasf reúne-se com Incra e Beiradeiros
conteúdo

Notícias

Codevasf reúne-se com Incra e Beiradeiros

O superintendente do INCRA na Bahia, Marcelino Galo e o gerente Regional do Incra/Oeste, Hamilton Félix, visitaram na última sexta-feira (04), a Superintendência da Codevasf em Bom Jesus da Lapa, acompanhados dos representantes das comunidades ribeirinhas de Santa Clara, Genipapo 1 e Genipapo 2, da cidade de Ibotirama/BA, para tratarem de assuntos referentes à legalização das áreas em conflitos naquelas regiões.
publicado: 08/11/2005 09h00, última modificação: 20/06/2018 16h56

O superintendente do INCRA na Bahia, Marcelino Galo e o gerente Regional do Incra/Oeste, Hamilton Félix, visitaram na última sexta-feira (04), a Superintendência da Codevasf em Bom Jesus da Lapa, acompanhados dos representantes das comunidades ribeirinhas de Santa Clara, Genipapo 1 e Genipapo 2, da cidade de Ibotirama/BA, para tratarem de assuntos referentes à legalização das áreas em conflitos naquelas regiões.

As populações beiradeiras estão ameaçadas por fazendeiros que se apoderaram de áreas públicas da União nas margens do São Francisco – as chamadas terras de Marinha. As terras em questão são secularmente utilizadas por beiradeiros nas suas plantações de ‘vazante’, para o cultivo de subsistência e pequenas comercializações.

Os superintendentes, após o contato com a Gerência Regional do Patrimônio da União (GRPU), órgão responsável pela regulamentação das terras públicas de domínio da União, acertaram a vinda de um técnico da GRPU, para levantar e regularizar os processos em andamento com o apoio do INCRA e da Codevasf, responsáveis pelo apoio técnico nos serviços topográficos.

O superintendente Jonas Paulo disse que a regulamentação das áreas ocupadas secularmente pelas populações tradicionais ribeirinhas nas margens do São Francisco, constitui uma das ações inseridas no Programa de Revitalização do São Francisco. “Portanto, avançar na sua legalização, para a exploração econômica, sustentável e ecologicamente correta, é uma das prioridades assumidas pela coordenação do Programa de Revitalização no Estado da Bahia”, completou.