Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2005 > Obras para construção de mini-estações de tratamento e distribuição de água
conteúdo

Notícias

Obras para construção de mini-estações de tratamento e distribuição de água

Já foram iniciadas as obras para a construção de 205 Mini-estações de Tratamento e Distribuição de Água (ETAs), capazes de abastecer com água potável cerca de 26 mil pessoas – moradoras de 1.628 lotes agrícolas e oito núcleos habitacionais urbanos do Projeto Jaíba (MG). A Codevasf assinou convênio com o governo de Minas, por meio da Ruralminas, responsável pela execução, que deverá estar concluída até julho do próximo ano.
publicado: 03/11/2005 14h30, última modificação: 20/06/2018 16h56

Já foram iniciadas as obras para a construção de 205 Mini-estações de Tratamento e Distribuição de Água (ETAs), capazes de abastecer com água potável cerca de 26 mil pessoas – moradoras de 1.628 lotes agrícolas e oito núcleos habitacionais urbanos do Projeto Jaíba (MG). A Codevasf assinou convênio com o governo de Minas, por meio da Ruralminas, responsável pela execução, que deverá estar concluída até julho do próximo ano.

Cada mini ETA atenderá oito lotes agrícolas, com capacidade de produção de 720 litros de água tratada por hora. Até o final deste mês, cerca de 30 unidades já deverão estar concluídas. Pelo convênio assinado, a Codevasf repassou à Ruralminas um total de dois milhões e duzentos mil reais. Como contrapartida, o governo de Minas entrará com 330 mil reais.

Cada mini-estação construída fará o tratamento convencional da água, segundo explicação do engenheiro José Carlos Ruas, responsável pela fiscalização das obras. Este tratamento convencional consiste em cloração, coagulação química, floculação, decantação, filtração e desinfecção da água. É o mesmo modelo de tratamento de água utilizado pelas grandes empresas nacionais que atuam no setor.

O superintendente regional da Codevasf em Minas, Anderson Chaves, acredita que, além de cumprir a promessa do ministro Ciro Gomes, o Governo Federal está cumprindo sua missão de oferecer melhores condições de saúde e bem estar social aos moradores do Projeto Jaíba. “Além de estar também atendendo exigências do próprio meio ambiente, das quais não podemos nos descuidar”, salienta.

Quando esteve em visita ao Projeto Jaíba em março deste ano o ministro Ciro Gomes, da Integração Nacional, depois de escutar as queixas de moradores da área, de que suas famílias bebiam água poluída, muitas vezes retirada dos próprios canais de irrigação, prometeu que iria estudar uma rápida solução para o problema.