Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2005 > Codevasf executa todo o seu orçamento em 2004
conteúdo

Notícias

Codevasf executa todo o seu orçamento em 2004

Os R$ 400 milhões destinados pelo governo federal à Codevasf em 2004 foram integralmente gastos nas atividades finalísticas da empresa.
publicado: 07/01/2005 16h30, última modificação: 20/06/2018 16h58

Os R$ 400 milhões destinados pelo governo federal à Codevasf em 2004 foram integralmente gastos nas atividades finalísticas da empresa.

“Isso é uma performance inédita, que comprova a capacidade executiva da empresa, instituição, a cada dia, mais importante para o desenvolvimento das áreas de influência dos rios São Francisco e Parnaíba”, afirma o presidente da Codevasf, Luiz Carlos Everton de Farias.

A adequada utilização dos recursos permitiu que se retomassem obras paralisadas, como as dos projetos Baixio do Irecê (BA), que recebeu R$ 13 milhões, as do Jaíba (MG), R$ 12 milhões, e as do Pontal, em Pernambuco, R$ 12 milhões.

O orçamento foi utilizado, ainda, em programas de aqüicultura, apicultura, ovinocaprinocultura e fruticultura. O meio ambiente também foi objeto de atenção da Codevasf, que aplicou R$ 24 milhões na revitalização da bacia do São Francisco, reflorestando áreas degradadas, recuperando nascentes, monitorando a qualidade da água e desassoreando afluentes do São Francisco.

No Piauí, por exemplo, foram destinados R$ 880 mil para os projetos de Santa Rosa e Marrecos, onde está sendo testada a produtividade da uva. A barragem de Tingüis recebeu R$ 5,5 milhões e a adutora do sudeste do Estado foi contemplada com R$ 5 milhões. Em obras de infra-estrutura no Estado foram gastos R$ 16 milhões na recuperação da BR 115 e das rodovias estaduais PI 111 e PI 117.

Para o presidente da Codevasf, uma das condições para o sucesso na aplicação dos recursos é realizar parcerias com instituições privadas e públicas. A empresa tem atuado em conjunto com a Secretaria de Aqüicultura e Pesca (SEAP), Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), além de acordos firmados com os governos estaduais.

Para 2005, a expectativa do presidente da Empresa é de que haja um incremento nos recursos destinados aos vales do São Francisco e do Parnaíba para que as obras continuem e sejam abertas novas frentes de atuação.