Você está aqui: Página Inicial > noticias > 2019 > Produtores apoiados pela Codevasf na região de Parnaíba (PI) são habilitados em curso de marinheiro fluvial
conteúdo

Notícias

Produtores apoiados pela Codevasf na região de Parnaíba (PI) são habilitados em curso de marinheiro fluvial

publicado: 09/07/2019 10h42, última modificação: 09/07/2019 10h42

Produtores, piscicultores e marisqueiras apoiados pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), por meio da 7ª Superintendência Regional, com sede em Teresina (PI), participaram, na última semana, do curso “Marinheiro Fluvial Auxiliar de Convés”, na Capitania dos Portos do Piauí, em Parnaíba (PI).

O curso, com duração de 40 horas, englobou aulas teóricas, práticas e avaliações, com o objetivo de habilitar o condutor para atuar, com suas embarcações, em águas fluviais. “Esse curso surgiu a partir de uma demanda de produtores e associações apoiados pela Codevasf e que atuam com embarcações. Vale ressaltar que o público é formado, também, por engenheiros de pesca, técnicos em aquicultura e condutores de turista do Delta do Parnaíba”, informa Rafson Varela dos Santos, chefe do Escritório de Apoio Técnico da Codevasf em Parnaíba.

O treinamento contou com um total de 30 alunos oriundos dos municípios de Esperantina, Buriti dos Lopes, Parnaíba, Luís Correia e Ilha Grande, no Piauí, e Jijoca, no Ceará”.

O coordenador da capacitação, Sargento Ribeiro, explica a importância do curso. “Além de habilitar os participantes para condução de lanchas, o nosso objetivo foi conscientizá-los em relação à segurança do tráfego aquaviário, a salvaguarda das vidas e a preservação ambiental”, sintetiza.

Marina de Sousa, que há mais de 10 anos faz parte da Associação das Marisqueiras e Filetadeiras de Luís Correia, foi uma das participantes do curso de Marinheiro Auxiliar. Para ela, a capacitação foi fundamental para ampliar os conhecimentos em sua área de atuação. “O curso foi muito proveitoso. A gente tinha uma base, mas agora, com o conteúdo aprendido, nosso trabalho fica mais profissional. Nós temos um barco pequeno, então precisamos saber o básico da operação e os cuidados com a segurança”, conclui.