Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2019 > Codevasf investiu R$ 3,7 milhões no primeiro semestre deste ano na revitalização do Velho Chico em MG
conteúdo

Notícias

Codevasf investiu R$ 3,7 milhões no primeiro semestre deste ano na revitalização do Velho Chico em MG

publicado: 16/07/2019 11h13, última modificação: 25/07/2019 18h37

Cerca de R$ 3,7 milhões já foram aplicados pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), no primeiro semestre deste ano, na execução de obras de revitalização em seis sub-bacias hidrográficas do São Francisco no Norte de Minas Gerais. Os investimentos objetivam aumentar a oferta e a qualidade da água visando a sustentabilidade socioambiental de rios e córregos que cortam vários municípios mineiros, por meio da recuperação de áreas degradadas e conservação e uso racional dos recursos naturais. Nos últimos 15 anos, o volume de recursos nessas ações chega a R$ 70 milhões apenas em Minas Gerais.

Revitalização MG“Dentre as ações de revitalização da bacia hidrográfica do São Francisco, a que diz respeito à recuperação de áreas degradadas destaca-se como uma das principais, pois age diretamente na questão mais crônica no vale do São Francisco que é o secamento de rios como reflexo da degradação ambiental. Com esses investimentos, a Codevasf cumpre seu papel de cuidar da preservação do Velho Chico”, afirma Rodrigo Rodrigues, superintendente da Codevasf em Minas Gerais.

As primeiras obras, já concluídas, foram implantadas na microbacia do córrego Barreiro de Santana, afluente do rio Cochá, no município de Montalvânia. Nesse local, 60 bacias de captação impedem que as enxurradas continuem causando erosões e assoreamento desse curso d'água.

"Foi um trabalho fantástico da Codevasf que conseguiu salvar o nosso rio que, pouco a pouco, estava enchendo de terra", avalia o produtor rural Renan Montalvão Costa, presidente da Associação Comunitária Cochanina Águas do Norte. Segundo técnicos da Codevasf, outras ações de revitalização para essa região já foram licitadas e devem iniciar ainda neste ano.

Já no município de Urucuia, no extremo norte mineiro, mil bacias de captação, 20 km de terraceamento e 40 cercamento de veredas estão sendo implantados na microbacia do córrego das Pedras, principal afluente do rio homônimo ao município e de grande importância econômica para a região. As ações da Codevasf se concentraram na cabeceira do córrego, onde estão localizadas as principais nascentes e veredas dessa microbacia.

"O nosso rio estava morrendo. A água estava diminuindo a cada dia", afirma o produtor rural Nelson Rodrigues Cordeiro que há 50 anos mora no local e, na última década, estava vendo as veredas da localidade secarem pelo uso indevido dos pecuaristas da região. "Agora, com a cerca de arame tá tudo muito bem protegido. Aos poucos a água vai novamente brotando da terra", conclui. 

Mais obras

As bacias dos rios Gorutuba e São Domingos também estão sendo beneficiadas com obras de cercamento de 39 nascentes e 42 bacias de captação. Com essas ações de proteção e recuperação de nascentes na cabeceira das duas bacias, a Codevasf está garantindo a proteção de 34 nascentes da bacia do rio Gorutuba e cinco da microbacia do rio São Domingos. Na área das duas bacias, a Codevasf construiu as barragens do Bico da Pedra, que serve como fonte hídrica para os perímetros irrigados Gorutuba e Lagoa Grande, e a barragem de São Domingos, localizadas nos municípios de Janaúba e Francisco Sá, respectivamente.

Na microbacia do córrego da Onça, que faz parte da sub-bacia do rio Guavinipan, um dos mais importantes afluentes do rio Jequitaí, serão implantados 1,3 mil bacias de captação e 110 km de terraceamento. Com essas ações, a Codevasf espera que o córrego da Onça se torne perene o ano inteiro e não apenas nos períodos chuvosos. A região é ocupada por 83 propriedades rurais que têm como atividade principal a agropecuária. Na área, a Codevasf já iniciou a construção de uma barragem para irrigar 35 mil hectares.

Em Santa Fé de Minas, a Companhia já iniciou as obras de cercamento de 45 km de veredas e de 85 bacias de captação. Com isso, espera-se que a proteção e a recuperação das principais veredas que compõem a microbacia do ribeirão Santa Fé venham atender às necessidades de aumento e manutenção do abastecimento de água daquele município. O ribeirão Santa Fé é afluente do rio Paracatú, um dos mais importantes contribuintes do São Francisco em território mineiro.

Na área da microbacia do rio Tabocas, no município de São Francisco, já estão em execução a implantação de 500 bacias de captação e 5 km de nascentes. A microbacia do Tabocas serve de captação hídrica para a barragem Jibóia, construída pela Codevasf no final dos anos 80. O empreendimento abastece oito comunidades rurais do município de São Francisco, além de servir como fonte hídrica para a dessedentação animal e irrigação de pequenas áreas da agricultura familiar.

registrado em: