Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Perímetros irrigados da Codevasf auxiliam agricultores do semiárido
conteúdo

Notícias

Perímetros irrigados da Codevasf auxiliam agricultores do semiárido

Os produtores de arroz dos perímetros irrigados da Codevasf no Baixo São Francisco estão fornecendo palha de arroz para agricultores familiares do Alto Sertão de Sergipe.
publicado: 21/02/2013 16h59, última modificação: 20/06/2018 17h16

Os produtores de arroz dos perímetros irrigados da Codevasf no Baixo São Francisco estão fornecendo palha de arroz para agricultores familiares do Alto Sertão de Sergipe. Diariamente, mais de 10 caminhões saem carregados dos perímetros Betume, Cotinguiba/Pindoba e Propriá em direção à região do semiárido. A palhada do arroz tem sido utilizada na alimentação do rebanho da região. A previsão é que, até o final da safra, em março, cerca de 600 carregamentos de palha sejam levados dos perímetros irrigados da Codevasf.

Os principais destinos para os resíduos da rizicultura são os municípios de Cedro de São João, Gararu, Porto da Folha, Itabi, Gracho Cardoso e Aquidabã. Cada lote plantado produz palha suficiente para encher de dois a três caminhões. A palhada é comercializada a um valor que varia entre R$ 150 a R$ 200 por lote, mas em muitos casos os produtores simplesmente doam a palha aos agricultores do semiárido, reduzindo os gastos, às despesas com transporte e mão-de-obra para embarque.

Com aumento de 40,5% na produção de arroz em Sergipe em 2012 em relação ao ano anterior (de acordo com o último Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, do IBGE) e com o aumento da demanda por alimentos no Alto Sertão, a procura pela palha de arroz cresceu bastante. Considerada um subproduto da rizicultura, a palha de arroz é normalmente incorporada ao solo, utilizada para a alimentação do gado existente nos perímetros ou até mesmo queimada ao término da safra.

O superintendente regional da Codevasf, Paulo Viana, disse que o esforço dos governos federal, estadual e municipais foi fundamental para o sucesso da rizicultura. “Isso também se deve à disposição do nosso rizicultor de adotar as novas tecnologias postas em prática pela equipe de assistência técnica contratada especificamente para esse fim e, principalmente, aos investimentos na infraestrutura de uso comum dos perímetros, com previsão de melhorias a partir deste ano com R$ 103 milhões do programa Mais Irrigação”, afirmou.

Somente em 2012, a Codevasf investiu R$ 4,5 milhões nos perímetros irrigados, com a recuperação de 31 conjuntos de eletrobombas e de cerca de sete quilômetros de canais. A produção de arroz nos perímetros irrigados Betume, Cotinguiba/Pindoba e Propriá garante a manutenção de aproximadamente 5 mil empregos diretos e indiretos. Respondendo por cerca de 80% da produção no estado, a última safra da rizicultura produziu mais de 20 mil toneladas de arroz, gerando uma receita bruta de aproximadamente R$ 10 milhões.