Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Peixamento no rio São Francisco insere um milhão de peixes nativos
conteúdo

Notícias

Peixamento no rio São Francisco insere um milhão de peixes nativos

Um milhão de peixes de espécies nativas do rio São Francisco foram inseridos pela Codevasf no chamado “Rio da Integração Nacional” durante a tradicional Festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo (AL) no domingo, 09 de janeiro. Os peixes são das espécies curimatã pacu, piau, dourado, niquim e piaba e foram produzidos no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba (Ceraqua), centro tecnológico da Codevasf situado no município de Porto Real do Colégio (AL).
publicado: 11/01/2011 15h02, última modificação: 20/06/2018 17h10

Um milhão de peixes de espécies nativas do rio São Francisco foram inseridos pela Codevasf no chamado “Rio da Integração Nacional” durante a tradicional Festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo (AL) no domingo, 09 de janeiro. Os peixes são das espécies curimatã pacu, piau, dourado, niquim e piaba e foram produzidos no Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba (Ceraqua), centro tecnológico da Codevasf situado no município de Porto Real do Colégio (AL).

O peixamento contou com a presença de autoridades como o superintendente regional da Codevasf em Alagoas, Antônio Nélson de Azevedo, técnicos da companhia e dezenas de pessoas que participaram da festa religiosa. “Esses peixamentos representam uma sensação de dever cumprido para a Codevasf em Alagoas. Recompor a vida no rio São Francisco tão ameaçada pela ação humana é um dos compromissos da companhia”, explicou o superintendente da Codevasf.

Uma parte dos peixes foi transportada por uma balsa para serem soltos em três pontos do rio São Francisco entre os municípios de Penedo (AL) e Neópolis (SE). A outra parte que estava acondicionada em bolsas plásticas foi solta às margens do rio pela população que acompanhava o peixamento.

Segundo o engenheiro de pesca da Codevasf, Álvaro Albuquerque, chefe do Centro, os peixes da espécie pacamã, popularmente conhecidos como niquim, tiveram um tratamento especial durante o peixamento. “Como esses peixes requerem um ambiente de refúgio com pedras e vegetação, eles foram soltos em alguns locais do rio que apresentam essa característica”, declarou.

Larissa da Conceição, estudante de seis anos que veio de São Paulo com a família para morar em Penedo, ficou feliz com o contato especial que já teve com o rio São Francisco. Ela participou do peixamento soltando uma bolsa plástica que continha peixes da espécie dourado. “Estou feliz porque sei que os peixinhos vão para rio crescer e ser livres”, comemorou a mais recente ribeirinha.

Já a estudante de Pedagogia Vanessa Carvalho, que veio pela primeira vez a Penedo participar da Festa de Bom Jesus dos Navegantes, também estava eufórica com a participação no peixamento. “Esse é meu primeiro contato com o rio São Francisco. Não conhecia o trabalho de peixamento e, para minha surpresa, pude participar da revitalização do rio”, declarou.

Para ela, a participação em peixamentos é uma forma de despertar na população a consciência ambiental sobre a preservação e revitalização do “Velho Chico”. “Quando nós participamos do processo de recuperação do meio ambiente, nos sentimos com maior compromisso pela preservação desses ecossistemas como o rio São Francisco”, declarou Vanessa Carvalho.