Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Estudantes visitam Projeto Salitre
conteúdo

Notícias

Estudantes visitam Projeto Salitre

Cerca de 40 estudantes dos cursos técnicos de cooperativismo, meio ambiente e agronegócios do Centro Territorial de Formação Profissional do Sertão do São Francisco (CETEP-SF) visitaram, no último sábado, dia 7, o Projeto de Irrigação Salitre em Juazeiro, no norte da Bahia.
publicado: 09/08/2010 16h28, última modificação: 20/06/2018 17h09

Cerca de 40 estudantes dos cursos técnicos de cooperativismo, meio ambiente e agronegócios do Centro Territorial de Formação Profissional do Sertão do São Francisco (CETEP-SF) visitaram, no último sábado, dia 7, o Projeto de Irrigação Salitre em Juazeiro, no norte da Bahia.

O grupo participou de uma programação que começou pela manhã com uma palestra no escritório de atendimento do Salitre sobre a implantação do projeto. Na oportunidade, o representante da Codevasf junto aos produtores, João Tosta, explicou aos visitantes como está sendo realizada a implantação do Salitre e os detalhes técnicos do empreendimento, como total da área a ser irrigada; funcionamento da estrutura de irrigação; detalhes das culturas e lotes já explorados em parte da área e o incentivo à formação de cooperativas e desenvolvimento da visão de agronegócio.

Em outra apresentação, o gestor ambiental da Codevasf, José Gabriel, explicou aos estudantes os detalhes ambientais da implantação e as exigências e condicionantes que devem ser cumpridas para o funcionamento do Salitre.

Em seguida o grupo visitou as instalações do projeto, percorreram alguns lotes e conheceram o funcionamento de uma estação de bombeamento e pressurização de água. Os professores do CETEP-SF, George Libório, Cinara Braga e Newma Penalva foram os monitores dos alunos durante a visita.

Segundo João Tosta, “no Salitre os estudantes viram in loco a importância do projeto para o desenvolvimento de Juazeiro e região, com base numa moderna concepção de perímetro irrigado, onde a visão de preservação ambiental e associativismo criam uma plataforma de formação para o agronegócio”.