Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Codevasf busca energia renovável para perímetros de irrigação em Petrolina
conteúdo

Notícias

Codevasf busca energia renovável para perímetros de irrigação em Petrolina

A Codevasf está buscando meios de viabilizar o uso de energia renovável nos perímetros de irrigação que estão sob sua jurisdição. Nessa segunda-feira (09), o engenheiro civil da Codevasf, Luís Frota, esteve no perímetro de irrigação Senador Nilo Coelho, em Petrolina (PE), acompanhado do engenheiro da Chesf, José Biones, e do engenheiro elétrico da Codevasf, Samir Cunha, para ver as possibilidades apresentadas pelo perímetro.
publicado: 10/07/2012 16h30, última modificação: 20/06/2018 17h13

A Codevasf está buscando meios de viabilizar o uso de energia renovável nos perímetros de irrigação que estão sob sua jurisdição. Nessa segunda-feira (09), o engenheiro civil da Codevasf, Luís Frota, esteve no perímetro de irrigação Senador Nilo Coelho, em Petrolina (PE), acompanhado do engenheiro da Chesf, José Biones, e do engenheiro elétrico da Codevasf, Samir Cunha, para ver as possibilidades apresentadas pelo perímetro.

“Esse é um momento de análise. Queremos ver se é possível implantar uma estação fotovoltaica. Trata-se de placas que captam energia da radiação solar e a transforma em energia elétrica. Se conseguirmos avançar nesse projeto seria um grande ganho para os produtores, economizaríamos muita energia e isso faria a diferença”, informou Frota.

O primeiro passo será reunir o maior número de dados possíveis sobre tudo que está ligado ao consumo do Nilo Coelho. “Pontos críticos, qualidade da energia, custo da energia. Nós precisamos desses dados, saber o quanto e quando está sendo consumido. Aí então poderemos saber em que direção caminhar e como iniciar um possível sistema piloto”, afirmou Biones.

As informações necessárias já estão sendo coletadas e, nos próximos meses, passos mais concretos começarão a ser dados. “Estamos identificando uma área no perímetro para começar a separar para esse estudo. O que está acontecendo aqui não tem outro nome que não seja pioneirismo. Precisamos avançar na geração de energia renovável. O mundo pede isso e nós queremos atender”, encerrou Luís Frota.