Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Cajucultores cearenses visitam microrregião de Picos (PI)
conteúdo

Notícias

Cajucultores cearenses visitam microrregião de Picos (PI)

A Codevasf acompanha, de 12 a 14 de outubro, numa visita técnica à microrregião de Picos (PI), cerca de 50 produtores cearenses que desenvolvem atividades na região de abrangência do Projeto de Inclusão Social e Produtiva de Organizações Coletivas na Cadeia do Caju no Território do Curu, Aracatiaçu e Maciço de Baturité (Projeto Intercaju).
publicado: 13/10/2011 16h50, última modificação: 20/06/2018 17h12

A Codevasf acompanha, de 12 a 14 de outubro, numa visita técnica à microrregião de Picos (PI), cerca de 50 produtores cearenses que desenvolvem atividades na região de abrangência do Projeto de Inclusão Social e Produtiva de Organizações Coletivas na Cadeia do Caju no Território do Curu, Aracatiaçu e Maciço de Baturité (Projeto Intercaju).

A viagem ao Piauí é para que o grupo conheça a experiência do estado no aproveitamento do caju. No primeiro dia, os cearenses participaram de uma reunião em que foram apresentadas ações da Codevasf para o fortalecimento da cajucultura no Piauí. Na manhã seguinte, os cajucultores conheceram in loco a agroindústria de processamento de castanha da Central de Cooperativas de Cajucultores do Piauí (Cocajupi), bem como o processo de beneficiamento e comercialização de mel de abelha na Casa Apis.

Em visita ao município de Santo Antonio de Lisboa (PI), o grupo conheceu algumas indústrias de processamento de frutas locais. A polpa e o suco extraídos têm como destino Rio de Janeiro, Brasília, Paraíba, Pernambuco e São Paulo.

Nesta sexta-feira (14), a missão cearense visita a fábrica da Lili Doces, no município de Ipiranga (PI), onde são produzidos doces, cajuína e castanha de caju.

Projeto Intercaju – Tem o objetivo de desenvolver a cajucultura por meio de modelos participativos de organização da produção, inovação de processos e produtos agroindustriais. Busca, também, a modernização da produção para a melhoria das condições de trabalho; transferência e capacitação tecnológica, gerencial e ambiental; abertura de novos mercados, dentre outros meios voltados para inclusão social, geração de renda, competitividade e sustentabilidade na agricultura familiar.