Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2007 > Barreiros implantados pela Codevasf no semiárido garantem sobrevivência de rebanhos
conteúdo

Notícias

Barreiros implantados pela Codevasf no semiárido garantem sobrevivência de rebanhos

Na primeira quinzena de julho a Codevasf concluiu a instalação de 189 barreiros – também chamados de pequenas barragens ou aguadas – na região semiárida de Pernambuco, Piauí e Bahia, no âmbito do programa Água para Todos. O mais recente balanço realizado pela Codevasf indica que desde o início da execução do programa, em 2012, foram implantados 20 barreiros na Bahia, 50 no Piauí e 119 em Pernambuco. “Estes barreiros armazenam água da chuva para a dessedentação de rebanhos de famílias que vivem dispersas no semiárido”, explica Leonardo Cruz, analista em desenvolvimento regional da Companhia.
publicado: 16/07/2013 15h24, última modificação: 20/06/2018 17h17

Na primeira quinzena de julho a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) concluiu a instalação de 189 barreiros – também chamados de pequenas barragens ou aguadas – na região semiárida de Pernambuco, Piauí e Bahia, no âmbito do programa Água para Todos. O mais recente balanço realizado pela Codevasf indica que desde o início da execução do programa, em 2012, foram implantados 20 barreiros na Bahia, 50 no Piauí e 119 em Pernambuco. “Estes barreiros armazenam água da chuva para a dessedentação de rebanhos de famílias que vivem dispersas no semiárido”, explica Leonardo Cruz, analista em desenvolvimento regional da Companhia.

Cada barreiro armazena entre cinco e 35 milhões de litros de água e atende, em média, a 20 famílias de produtores rurais. O tamanho exato do reservatório varia de acordo com as características de topografia e solo, por exemplo, de cada localidade. “O desenho de barreiros ou pequenas barragens é semelhante ao de barragens convencionais, mas com dimensões menores. O modo de compactação do solo para que a água fique retida e não se disperse também é mais simples”, afirma Leonardo Cruz.  Os reservatórios são projetados para ter um significativo excedente de água, já que grande parte das reservas é consumida naturalmente pelo processo de evaporação.

No planejamento das instalações, a Codevasf busca beneficiar um número mínimo de cinco famílias que vivam a um raio de até dez quilômetros de onde será implantado o reservatório. O público prioritário dos barreiros é composto por famílias que têm renda per capita mensal de até R$ 140. A identificação dos potenciais beneficiários é feita individualmente, em visita às residências.

De acordo com Leonardo Cruz, a pulverização de pequenas barragens em regiões de seca geralmente tem vantagens comparativas em relação à construção de grandes barragens para o atendimento de populações rurais. “Grandes reservatórios requerem investimentos maiores e não atendem adequadamente a comunidades dispersas devido à concentração da água em um único ponto. A instalação de diversas barragens de pequenas proporções é mais econômica e encurta a distância entre a água e os beneficiários”, diz Cruz. “A região semiárida tem indicadores de pobreza altos, e portanto as pessoas têm poucas posses e rebanhos pequenos, sobretudo de caprinos e ovinos, que são animais de médio porte. Esses animais são fonte de alimento, então a água é muito importante para as famílias”, acrescenta.

A aposentada Bertolina Francisca da Silva é uma das beneficiadas pela instalação de um barreiro na comunidade Chupeiro, em Paulistana (PI). De acordo com ela, o reservatório tem sido usado diariamente para saciar a sede dos animais da região. “Aqui não tinha água de jeito nenhum. A gente precisava muito desta água. Deus mandou uma chuva boa e estamos com água bem perto de casa”, diz ela.

A Codevasf trabalha com a meta de instalar 1.010 barreiros com o programa Água para Todos até o fim de 2014. Os estados beneficiários são Bahia, Piauí, Pernambuco, Minas Gerais, Sergipe, Alagoas e Maranhão. Além de dessedentação animal, os barreiros permitem o desenvolvimento de pequenas plantações familiares em suas imediações, onde são cultivados, entre outros itens, hortaliças, leguminosas, milho e feijão para consumo próprio.

Processo de instalação

O primeiro passo dado pela Codevasf antes da instalação dos barreiros consiste na realização de visitas técnicas às comunidades, para seleção das melhores áreas para a realização das obras. A identificação espacial dos locais é feita por fotografias e GPS. Em seguida, profissionais de assistência social iniciam um trabalho de interlocução com as comunidades.

Uma das condicionantes à construção do barreiro é que o proprietário da terra onde ele será instalado assine o termo de servidão pública que garantirá acesso ao reservatório aos animais de famílias que vivem nas proximidades. “Este documento assegura que, apesar de o equipamento estar sendo implantado em área privada, o benefício será coletivo. Então os locais têm corredores de acesso, ou cercas transponíveis, ou simplesmente não têm cercas”, explica Leonardo Cruz.

Em reuniões públicas, a Codevasf informa as comunidades sobre a finalidade dos barreiros e sobre seu caráter público. Durante o processo de implantação desses reservatórios, a população também é informada de que é um compromisso comum manter aquele patrimônio em boas condições. O principal cuidado de manutenção indicado pela Companhia consiste em evitar que árvores de raízes longas e que formigas, cupins, tatus e outros animais que revolvem o solo prosperem nas proximidades do reservatório.

Água para Todos

O programa Água para Todos é coordenado pelo Ministério da Integração Nacional e tem como  meta prioritária universalizar o acesso a água no semiárido brasileiro. A Codevasf é uma das instituições executoras do programa e deverá instalar em sua área de atuação 160 mil cisternas de abastecimento humano, 1.010 barreiros, 865 poços e 1.520 sistemas simplificados de abastecimento.

Foto: Cássio Moreira

Ouça a notícia da Rádio Codevasf:

http://www.codevasf.gov.br/principal/promocao-e-divulgacao/central-de-radio/materias-e-entrevistas-2013/09-barreiros-implantados-pela-codevasf-no-semiarido-garantem-sobrevivencia-de-rebanhos.mp3