Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2004 > CODEVASF IMPLANTA AGRICULTURA IRRIGADA EM ASSENTAMENTO DE REFORMA AGRÁRIA NO PIAUÍ
conteúdo

Notícias

CODEVASF IMPLANTA AGRICULTURA IRRIGADA EM ASSENTAMENTO DE REFORMA AGRÁRIA NO PIAUÍ

publicado: 15/07/2004 17h30, última modificação: 17/08/2006 16h06

Cultivo de melancias Campo irrigado

Uma ação da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) pode servir de modelo para o país. A implantação da fruticultura irrigada no assentamento Marrecas (localizado no município de São João do Piauí, a 486 km de Teresina), utiliza água do poço jorrante, portanto, sem nenhum custo de energia elétrica. Numa área de 20 hectares, já estão sendo colhidas safras de melancia, abóbora, batata doce, feijão e banana. Na próxima terça-feira (20), será iniciado o plantio de uva. O presidente da Codevasf, Luiz Carlos Everton de Farias e o governador do Piauí, Welligton Dias (PT) vão acompanhar a plantação.

Os parreirais vão ocupar uma área de dois hectares. Duas modalidades de uva – italia e benitak – serão plantadas no projeto piloto. Dentro de aproximadamente 1 ano e meio, estará sendo colhida a primeira safra. O assentamento Marrecas é o primeiro da Reforma Agrária no Piauí. Tem 15 anos de existência. Numa área de 10,560 hectares, vivem 486 assentados. Para o projeto piloto da Codevasf, foram selecionadas 20 famílias que já estão produzindo na área. A seleção foi feita pela Associação de Assentados de Marrecas.

A experiência com agricultura irrigada é pioneira para os moradores de Marrecas. A criação de caprinos e ovinos era a única atividade do lugar. O poço Capim Grosso jorrava, desde 1982, sem que a população pudesse fazer um aproveitamento racional da água. A vazão do poço era de 120m³/h (o que gerava uma coluna d’água de 40 metros de altura) e a pressão, de 4 kg. Hoje, a água que era desperdiçada, é suficiente para irrigar os 20 hectares da etapa inicial do projeto piloto da Codevasf.” A meta é ampliar para 200 hectares, através da microaspersão e a um custo zero”, frisa o superintendente Hildo Diniz, responsável pela implantação do projeto, há 18 meses. “A experiência deu certo e pode ser aplicada em vários poços jorrantes do estado. Até mesmo no maior deles, o Violeta, em Cristino Castro”, afirma. Na área de São João do Piauí, existem quatro poços semelhantes ao Capim Grosso e que também servirão para a prática da agricultura irrigada.

Com a fruticultura implantada em Marrecas, a renda dos produtores aumentou, já que eles conseguem vender os produtos para os mercados da região. Com recursos assegurados no orçamento para 2005, pelo Ministério da Integração Nacional, serão introduzidas novas culturas no projeto do assentamento para a produção de manga, goiaba, figo, atemóia e limão.

Maiores Informações
Assessoria de Comunicação da CODEVASF
Jornalista responsável Cinthia Lages DRT/PI 2315/86
61 223 8819 / 9658 7460