Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2017 > Dia do apicultor: Codevasf fortalece produção apícola no Norte de Minas
conteúdo

Notícias

Dia do apicultor: Codevasf fortalece produção apícola no Norte de Minas

Mais de R$ 6 milhões já foram investidos desde 2006, pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), para incentivar o desenvolvimento de polos apícolas na região Norte de Minas Gerais. A atividade tem se mostrado uma alternativa de renda para apicultores de 20 municípios, contribuindo para a produção de aproximadamente 800 toneladas de mel por ano.
publicado: 22/05/2017 10h00, última modificação: 20/06/2018 17h36

Mais de R$ 6 milhões já foram investidos desde 2006, pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), para incentivar o desenvolvimento de polos apícolas na região Norte de Minas Gerais. A atividade tem se mostrado uma alternativa de renda para apicultores de 20 municípios, contribuindo para a produção de aproximadamente 800 toneladas de mel por ano.

O município de Bocaiuva se destacou nesse cenário com um trabalho de intercâmbio entre os produtores familiares. Luciano Fernandes de Souza, presidente da Cooperativa dos Apicultores e Agricultores Familiares do Norte de Minas (Coopemapi), foi um dos primeiros produtores agrícolas da região bocaiuvense a entrar para o ramo da apicultura.

"No início, era uma atividade muito acanhada. Tanto a produção quanto a comercialização tinham muito amadorismo, eram poucos os que se interessavam. Depois que a Codevasf entrou em cena, a coisa mudou. Hoje já são mais de 200 famílias de apicultores vivendo quase que exclusivamente da produção do mel. Eu voltei de São Paulo, para onde tinha mudado à procura de trabalho, e vivo hoje da apicultura" conta Luciano de Souza.

Falando sobre as boas perspectivas da apicultura no Vale do São Francisco em Minas Gerais, o presidente da Coopemapi cita a grande demanda do mercado por mel de qualidade, principalmente com certificação orgânica. Como a região apresenta pouca utilização de agrotóxicos, há uma grande potencialidade para a produção orgânica, que apresenta maior valor agregado. "Além dessa potencialidade, a atividade pode ser executada mesmo em regiões de longas secas, como a nossa", frisa o apicultor bocaiuvense.

Com o incentivo da Companhia, a atividade vem crescendo. Em 2007, havia apenas 651 produtores; hoje, o número já atinge 1.429, proporcionando uma renda de R$ 8 milhões a famílias de pequenos produtores rurais. No estado, 484 famílias inseridas no CadÚnico do governo federal, com renda per capita de até R$ 77, foram contempladas com kits de apicultura até o final de 2016, perfazendo um total de mais de 8 mil colmeias distribuídas em 22 municípios no estado.

"A apicultura na nossa região é a solução para o pequeno produtor. Mesmo quem não tem um palmo de terra, pode ser apicultor. É o meu caso e de mais outras famílias, que hoje estão tirando o seu sustento e algo a mais dessa atividade. É só ter determinação e vontade de vencer”, afirma o produtor rural e apicultor Jaime Freitas Dias, do município de Mato Verde.

Ele espera que esse número de apicultores passe dos 70 ainda neste ano, isso devido ao aumento da extração do mel da aroeira na região, que tem maior valor de venda e que recentemente teve sua certificação do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) liberado.

Investimentos

Produção de melOs municípios atendidos pela ação foram São Francisco, Januária, Mato Verde, Nova Porteirinha, Porteirinha, Mirabela, Bocaiuva, Matias Cardoso, Catuti, Espinosa, Serranópolis de Minas, Gameleiras, Bonito de Minas, Engenheiro Navarro, Francisco Sá, Guaraciama, Janaúba, Montes Claros, Pai Pedro, Pedras de Maria da Cruz, São João da Ponte e Claro dos Poções.

“O investimento na ação em Minas desde 2012 é de R$ 3,4 milhões e integra o eixo de inclusão produtiva do Plano Brasil sem Miséria, conduzido pela Codevasf em sua área de atuação, em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional”, destaca o superintendente regional da Codevasf no estado, Rodrigo Rodrigues.

Além dos kits familiares, a Codevasf também promoveu capacitações aos beneficiários e equipou as unidades de extração e beneficiamento de mel dos municípios de São Francisco, Mirabela, Gameleiras, Montes Claros, Mato Verde, Claro dos Poções, Francisco Sá, Pai Pedro, contemplando em torno de 192 famílias

Para incrementar a produção de mel e fortalecer o trabalho dos apicultores do Norte de Minas, a Companhia construiu unidades de extração e beneficiamento de mel nos municípios de Mato Verde, Januária, Porteirinha, Mirabela, Ubaí, Nova Porteirinha. Em 2016, a empresa também retomou as obras do Entreposto de Mel de Bocaiuva, estabelecimento destinado ao recebimento, à classificação e à industrialização do produto e seus derivados.

Para Alex Demier, gerente da área de Revitalização da Codevasf em Minas Gerais, a implantação das seis unidades de beneficiamento são fundamentais para a inserção da produção apícola regional nos mercados consumidores. Todas as unidades construídas pela Codevasf apresentam certificação sanitária, garantindo ao consumidor a qualidade do produto consumido.

A construção do entreposto está sendo realizada pela Codevasf em parceria com a Secretaria de Reordenamento Agrário (do extinto Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA) e com a Associação dos Apicultores de Bocaiuva (Apiboc). Os investimentos somam R$ 494 mil, sendo R$ 400 mil do Programa Nacional do Crédito Fundiário do MDA e R$ 94 mil do Ministério da Integração Nacional (MI).

“Esses investimentos têm sido fundamentais para organizar e atrair cada vez mais famílias sertanejas à apicultura. A atividade é uma alternativa importante de renda para famílias vocacionadas a esse segmento. Esse é um esforço do governo federal, do Ministério da Integração Nacional e da Codevasf”, afirma a presidente da Codevasf, Kênia Marcelino.

O entreposto permitirá a extração e envase do mel dentro dos padrões sanitários exigidos pela legislação, assegurando o acesso dos produtos ao mercado institucional de compra de alimentos e aos demais os mercados. Além disso, estimula a organização social e cooperativa dos apicultores, com a melhoria das condições socioeconômicas das famílias dos produtores e promove o uso sustentável dos recursos naturais.

Fotografia: https://www.flickr.com/photos/codevasf/sets/72157664770225556/with/25020115931/