Você está aqui: Página Inicial > Linhas de Negócio > Irrigação > Projetos Públicos de Irrigação > Boletim Informativo dos Projetos da Codevasf (BIP) > 28ª Edição > Introdução de culturas alternativas nos projetos de irrigação na região do Médio São Francisco
conteúdo

Introdução de culturas alternativas nos projetos de irrigação na região do Médio São Francisco

por Valeria Rosa Lopes publicado 28/06/2022 14h38, última modificação 28/06/2022 14h38
Valéria Rosa Lopes

pera_val fig1.jpgA Codevasf em uma nova parceria com a Embrapa vai implantar novas unidades de observação com o objetivo de Introduzir e avaliar o desempenho agronômico de espécies frutíferas de clima temperado e subtropical, bem como a qualidade dos produtos obtidos a partir desses cultivos, nos projetos de irrigação da região do médio São Francisco.

As culturas introduzidas e avaliadas serão a macieira (Malus domestica Borkh), a pereira (Pyrus spp. L.), o caquizeiro (Diospyros kaki L.), o abacateiro (Persea americana) e a romãzeira (Punica granatum).

Serão instaladas e conduzidas ao todo 15 unidades de observação em áreas de produtores dentro dos projetos públicos de irrigação Baixio de Irecê (Xique-xique/BA), Ceraíma (Guanambi/BA) e Formoso A (Bom Jesus da Lapa/BA). As 15 unidades demonstrativas somarão uma área experimental de 2,7 ha, sendo que cada projeto contará com uma unidade de observação para cada uma das cinco espécies a serem introduzidas.

maçã val_fig2.jpgNessas unidades de observação serão realizadas as atividades de condução da coleção de variedades, poda de condução e formação das plantas, tratamentos fitossanitários, manejo de solo, recomendações técnicas para o manejo das plantas, preparação das plantas para indução da brotação, aplicação de produtos químicos para derrubada das folhas e indução de brotação, além da avaliação sistemática do desempenho agronômico das plantas, análises laboratoriais para avaliação de parâmetros relacionados à qualidade, aquisição de mudas para ampliação da coleção de variedades e a caracterização físico-química de frutos colhidos.

O projeto tem duração prevista de dois anos (2022 a 2024) e tem como meta principal disponibilizar aos agricultores novas opções de cultivos de valor econômico para as áreas irrigadas.