Você está aqui: Página Inicial > Linhas de Negócio > Irrigação > Projetos Públicos de Irrigação > Boletim Informativo dos Projetos da Codevasf (BIP) > 28ª Edição > Cultivo de cacau nos projetos públicos de irrigação Formoso, Riacho Grande e Barreiras Norte
conteúdo

Cultivo de cacau nos projetos públicos de irrigação Formoso, Riacho Grande e Barreiras Norte

por Valeria Rosa Lopes publicado 28/06/2022 14h39, última modificação 28/06/2022 14h39

Ademar Alves Pereira Júnior
Paulo Cerqueira

Os agricultores irrigantes dos projetos públicos de irrigação (PPIs) sob a responsabilidade da Codevasf procuram diversificar os seus cultivos e uma das potenciais alternativas é o cacau irrigado, cujas áreas começam a ser ampliadas nos PPIs Barreiras Norte, no município de Barreiras (BA), Riacho Grande, em Riachão das Neves (BA) e Formoso, em Bom Jesus da Lapa (BA).

cacau1.jpgEm 2020, o maior produtor mundial de cacau foi a Costa do Marfim, com 38,21 % da produção. Ademais, os países Gana (13,90%), Indonésia (12,85%), Nigéria (5,91%), Equador (5,70%), Camarões (5,04%) e Brasil (4,69%), sétimo maior produtor, reuniram 86,28% da produção mundial (FAOSTAT, 2022).

Figura 1 - Frutificação do Cacaueiro
Fonte: CNA

 O Brasil, em 2020, produziu 278 mil toneladas. A região Nordeste ocupa 70,67% da área nacional de cacauicultura, mas é a Norte quem lidera a produção nacional (53,40%). A Bahia é o único estado produtor do Nordeste, ocupando a área de 425 mil ha, com 118 mil toneladas (Agrianual, 2021).

cacau2.jpg

Por décadas, a área e a produção de cacau no sul da Bahia foram preeminentes, contudo, a partir de 1990, iniciou-se um processo de declínio, tanto da produção quanto da área, provocados por vários fatores adversos. Apesar de todos esses percalços, a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC) e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) têm empreendido esforços para o soerguimento dessa cultura no Brasil (BNB, 2021).

Figura 2 -  Plantio do Cacaueiro
Fonte: (CEPLAC/Divulgação)

A expansão do cultivo de cacau nos PPIs é uma alternativa promissora para a diversificação rentável nas áreas irrigadas. Pois, ao incorporar cultivo de alto valor agregado e alta densidade de plantio, poderá possibilitar maior produtividade e participação no mercado interno dos diversos subprodutos e menor dependência do mercado externo para o atendimento à demanda nacional. Tal fato poderá resultar na melhoria dos níveis de qualidade da produção, produtividade, renda e emprego no meio rural e nos setores urbano-industriais, que se vinculem direta ou indiretamente à cadeia da cacauicultura (Agrolink, 2015).

Tabela 1 - Área cultivada, área colhida, produção e Valor Bruto da Produção (VPB) do cultivo de cacau em 2020 e 2021, nos projetos públicos de irrigação Barreiras Norte, Formoso e Riacho Grande - 2ª/SR-Bahia.

tabeladdj.jpg

Analisando o cultivo do cacau nas safras 2020 e 2021, nos PPIs Formoso, Riacho Grande e Barreiras Norte, na Bahia, têm-se: Formoso, na safra 2020, foram cultivados 28 ha e, na safra 2021, também 28 ha; Riacho Grande, respectivamente, cultivaram-se 14 ha e 24 ha e, no PPI Barreiras Norte, foram cultivados 4 ha nessas duas safras. Verificou-se um incremento de 72% na área cultivada, no PPI Riacho Grande. A área cultivada total foi de 46 ha em 2020 e 56 ha em 2021, correspondendo produtividade média de 1 t/ha tanto em 2020 como em 2021, sendo o valor bruto da produção por área de R$ 7.540,23/ha em 2020 e de R$ 8.054,96/ha em 2021. Considerando-se os três PPIs elencados, nos anos de 2020 e 2021, verificou-se um aumento de 22% na área cultivada (Tabela 1). A título de comparação, a cacauicultura no estado da Bahia, em 2020, apresentou uma produção de 118.018 t e área colhida de 425.045 ha, com correspondente produtividade de 0,28 t/ha e valor bruto de produção (VBP) por ha de R$ 3.446,99 (Agrianual, 2021). Notam-se que os parâmetros, produtividade (t/ha) e VBP por área (R$/ha), apresentados nos anos de 2020 e 2021, pelos três PPIs citados, são superiores àqueles verificados, no geral, no estado da Bahia, no ano de 2020.

Mais de 90% da área cultivada do PPI Formoso é ocupada pela cultura da banana. Tal fato, por questões fitossanitárias e mercadológicas (oscilações nos preços pagos ao produtor), faz despertar atenção com relação à necessidade de se diversificar os cultivos nessa localidade. No passado, a ocorrência do mal-do-panamá (Fusarium oxysporum f. sp. cubense) nos bananais desse PPI fez intensificar o interesse pela cacauicultura irrigada como opção de cultivo. Para a consolidação do cultivo do cacau irrigado nos PPIs, são necessários: pesquisas, programa de assistência técnica,  agregação de valor ao produto, cooperativismo e linhas de financiamentos que permitam novos investimentos e custeios nas plantações dessa cultura. Ademais, demandará uma ótima integração de agendas de trabalho entre os agricultores irrigantes e os órgãos públicos de desenvolvimento regional, ensino, inovação e pesquisa.

Referências:

Food and Agriculture Organization of the United Nations (FAOSTAT) Crops and livestock products. Disponível em: <https://www.fao.org/faostat/en/#data/QCL>. Acesso em 29 de março de 2022.

Banco do Nordeste do Brasil (BNB) ETENE:Produção de Cacau.Caderno Setorial, Ano 6, n.º149 | Janeiro de 2021 -  Maria Simone de Castro Pereira Brainer. Disponível em: <https://www.bnb.gov.br/s482-dspace/bitstream/123456789/650/3/2021_CDS_149.pdf>. Acesso em: 05 de abril de 2022.

Agrolink Cacau e banana irrigados podem ser o novo boom do Oeste da Bahia:Cacau irrigado já é realidade no Estado). Disponível em <https://www.agrolink.com.br/noticias/cacau-e-banana-irrigados-podem-ser-o-novo-boom-do-oeste-da-bahia_222067.html>. Acesso em 05 de abril de 2022.

Agrianual 2021 Anuário da agricultura brasileira, São Paulo, p. 181-182, out, 2020.