Você está aqui: Página Inicial > Linhas de Negócio > Irrigação > Projetos Públicos de Irrigação > Boletim Informativo dos Projetos da Codevasf (BIP) > 26ª Edição do BIP > Entrevista: aspectos da produção e mercado da citricultura no projeto Formoso
conteúdo

Entrevista: aspectos da produção e mercado da citricultura no projeto Formoso

por Valeria Rosa Lopes publicado 10/12/2021 13h04, última modificação 10/12/2021 13h04

A atividade da citricultura vem ganhando espaço no projeto público de irrigação Formoso nos últimos anos e, embora a área ainda seja pequena, o mercado parece promissor.

Para falar um pouco sobre esse assunto o BIP entrevistou o Sr. Ervino Kogler, produtor irrigante no projeto Formoso, há nove anos.

Acompanhe a entrevista para saber mais sobre como a atividade está se desenvolvendo na região!

Ervino1.jpeg

BIP: Quais as espécies de citros cultivadas atualmente em sua propriedade?

Tenho produção de limão tahiti e tangerina Ponkan.

BIP: A região do projeto Formoso está em uma região onde geralmente culturas como a tangerina e a laranja não são muito recomendadas. Entretanto, com as pesquisas recentes, novas variedades e porta-enxertos têm possibilitado esses cultivos. Quais os porta-enxertos (cavalo) utilizados e quais as variedades copa (cavaleiro)? Quais as combinações, se houver mais de uma.

Ponkan no porta-enxerto “Citromelo swing” e o limão em cavalo (porta-enxerto) “Trifoliata Flay Dragon”, “Limão cravo Santa Cruz” e “BRS Bravo”.

Figura 1: Sr. Ervino Kogler em seu pomar de lima ácida Tahiti.
Fonte: Kogler, 2021.

BIP: Qual a produtividade média dessas variedades copa em sua propriedade?

Ponkan entre 30 e 40 ton e o limão 27 ton.

BIP: Na região sul e sudeste, os citros apresentam uma grande quantidade de doenças e pragas que comprometem a produção. Quais são as doenças mais comuns na região do projeto Formoso? Elas também chegam ou já chegaram a promover perdas significativas da produção?

A pressão de doenças é baixa no Formoso, temos gomose (Phytophthora spp.) principalmente no Limão cravo. E pragas, como a cochonilha, larva minadora e ácaros, mas nada muito agressivo.

BIP: A coloração da casca dos frutos, principalmente da tangerina e da laranja, tem influência da amplitude térmica, e, na região em questão, a probabilidade de a coloração ser mais para o verde e amarelo é mais comum. Isso se verifica no campo?

Sim.

A coloração é mais verde, contudo, o mercado vem se acostumando.

BIP: Em relação as características de qualidade dos frutos, o senhor saberia informar se as frutas produzidas na região têm a mesma qualidade das produzidas na região sudeste? Como teor de açúcar (brix), acidez e a relação açúcar/ acidez (ratio)?

O teor de brix é muito bom e já reconhecido.

BIP: O senhor acha que o fato de estar mais longe das principais regiões produtoras é uma vantagem em relação a comercialização?

Temos um mercado local e cidades vizinhas com bons volumes de compra, nos favorecendo.

BIP: Levando em consideração que é um plantio irrigado, é possível fazer um planejamento para produzir na entressafra? Ou ainda, “fugir” um pouco da época com menores preços (safra da maior região produtora)?

Sim conseguimos fazer nossa produção na entressafra, estamos tentando nos aperfeiçoar. O ideal é produzir Ponkan de janeiro a março e o limão no segundo semestre.

BIP: O senhor teria mais alguma informação que considera importante falar sobre sua experiência com a citricultura no projeto Formoso?

O citros está em expansão no projeto e na região, e a cada dia conseguimos melhorar as técnicas de produção e a qualidade da fruta.