Document Actions
Ações na microbacia do Sucuruiú são piloto da Codevasf para combate à desertificação na região de Gilbués (PI)

Ações na microbacia do Sucuruiú são piloto da Codevasf para combate à desertificação na região de Gilbués (PI)

Combate à desertificação é tema de evento realizado nesta semana em Teresina

A região de Gilbués, no Piauí, é área susceptível a desertificação e está listada entre as mais críticas do país por órgãos ambientais. É nessa região que foram concentradas as ações de combate à desertificação empreendidas pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) no estado. Em convênio com a Fundação Agente para o Desenvolvimento do Agronegócio e Meio Ambiente, a Companhia desenvolveu projeto de revitalização da microbacia do riacho do Sucuruiú, no município de Gilbués.

“Essa questão da desertificação está sendo debatida em todo o mundo atual, e é fruto da degradação ambiental por ação humana e pelas variações climáticas. Aqui no Piauí, a Codevasf implantou ações-piloto de combate à desertificação, com realização de testes, e os resultados permitiram a criação de parâmetros. Assim, criou-se uma referência para replicar essas ações em outros locais do Nordeste brasileiro que possuem características similares e precisam encontrar soluções para os mesmos desafios”, explica o diretor da Área de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Codevasf, Inaldo Guerra, que participa nesta semana de evento sobre combate à desertificação em Teresina (PI).

As intervenções da Companhia incluíram recuperação de 16 hectares de mata ciliar, seccionamento de 15 quilômetros de voçorocas, recomposição de 60 hectares de paisagem e implantação de unidades demonstrativas de uso e manejo do solo e da água; uma estrada ecológica com extensão de 23 quilômetros também foi construída na região. Esse tipo de intervenção regulariza a área de rodagem de veículos, com  cascalhamento, e facilita a drenagem de águas pluviais. O objetivo é direcionar adequadamente as águas pluviais e evitar que ocorra escoamento desordenado na via, o que tem como consequência o desencadeamento de processos erosivos no solo e o carreamento de sedimentos para os cursos d'água.

Também foi realizado terraceamento de solo ao longo de 39 quilômetros – a técnica de terraceamento consiste na realização de sulcos transversais no terreno, que retêm água e atenuam a força de enxurradas. Para completar o conjunto de ações, a Codevasf realizou reuniões de sensibilização e cursos para pequenos produtores, focados em práticas de conservação, e conduziu trabalhos de análise e monitoramento da água, assim como monitoramento da região por imagens de satélite.

Outras ações de revitalização no Piauí

Além das ações de combate à desertificação, outras significativas intervenções de revitalização foram realizadas no Piauí recentemente pela Codevasf, como o controle de voçorocas em Santa Filomena e o controle do avanço de dunas em Ilha Grande.

Contenção de dunasA contenção do avanço de dunas sobre áreas de preservação ambiental e sobre afluentes do rio Parnaíba no município de Ilha Grande – realizada em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente do Piauí – tem protegido o ecossistema local e mantido a segurança de comunidades ribeirinhas. A ação auxilia a manutenção do transporte fluvial e protege riquezas ecológicas, paisagísticas e culturais que estavam ameaçadas pelo avanço das dunas. Os investimentos foram de R$ 2,8 milhões.

No município de Santa Filomena, especificamente na localidade Serra do Banja, o foco da Codevasf foi implantar uma unidade demonstrativa de controle de voçorocas. Ações adicionais de proteção de voçorocas em estágios iniciais foram realizadas nas localidades de Grota Funda I, Buritirama e Grota do Venâncio, todas no município. Foram investidos cerca de R$ 1,2 milhão em ações que incluíram barramentos da voçoroca, terraceamento em 330 hectares, readequação de 31 quilômetros de estradas vicinais com bacias de captação de águas pluviais, plantio de 22 mil mudas de espécies nativas e instalação de 10,9 mil metros de cerca. Também foram distribuídos materiais informativos e realizados cursos e palestras para moradores da região.

Combate à desertificação

O combate à desertificação é tema, nesta semana, da reunião de Implementação de Políticas Públicas de Combate à Desertificação no Brasil, promovida pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em parceria com o Tribunal de Justiça do Piauí, em Teresina (PI). Participam do encontro secretários estaduais de meio ambiente, prefeitos, parlamentares, técnicos e público gTeresinaeral.

Além do diretor Inaldo Guerra, participam do evento em Teresina o superintendente regional da Codevasf no Piauí, Fábio Miranda, o gerente de revitalização da Companhia no estado, Ocelo Rocha, e técnicos da empresa.

A reunião tem por objetivo identificar estratégias para um plano de ação de combate à desertificação no Nordeste do Brasil e discutir a futura estratégia decenal (2018-2030) para implementação da Convenção das Nações Unidas para o Combate à Desertificação (UNCCD), com foco na participação brasileira na 13ª Conferência das Partes, em Ordos, na China, em setembro de 2017.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Semiárido, as áreas susceptíveis a desertificação compreendem 1.340.863 km² do território brasileiro, e alcançam 1.488 municípios localizados em nove estados da região semiárida do Nordeste e do Norte de Minas Gerais e do Espírito Santo.

As ações de combate à desertificação empreendidas no Brasil – que seguem a Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD) – são coordenadas pelo Ministério do Meio Ambiente, por meio do Departamento de Combate à Desertificação. O Departamento tem entre seus objetivos oferecer subsídios materiais e didáticos para a adoção de medidas associadas às determinações da Convenção.

A Codevasf recebeu em 2016 a certificação Dryland Champions, concedida pela UNCCD/MMA. “Essa certificação ratifica que o trabalho desenvolvido pela Companhia, por  meio das ações de conservação, recuperação e uso sustentável do solo, efetivamente promove o combate à degradação e à desertificação”, destaca o diretor Inaldo Guerra.

Fotografias ilustrativas estão disponíveis neste endereço:
https://www.flickr.com/photos/codevasf/albums/72157659769221132

Confira entrevista do diretor da Área de Revitalização de Bacias Hidrográficas da Codevasf, Inaldo Guerra:

https://soundcloud.com/codevasf/diretor-da-ar-inaldo-guerra-fala-sobre-acoes-na-microbacia-do-sucuruiu-de-combate-a-desertificacao



atualizado em 07/08/2017 09:03