Document Actions
Pesquisadores internacionais visitam projetos de irrigação da Codevasf no semiárido baiano

Pesquisadores internacionais visitam projetos de irrigação da Codevasf no semiárido baiano

Uma comitiva formada por integrantes do Centro de Desenvolvimento e Meio Ambiente (CDE), da Universidade de Bern, na Suíça, visitou nesta semana dois projetos públicos de irrigação mantidos pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) no município de Juazeiro – região Norte da Bahia. Um dos objetivos dos pesquisadores é estabelecer um canal de comunicação entre a universidade e a Codevasf, para aprofundamento de estudos sobre a produção agrícola de frutas no semiárido, principalmente no eixo Juazeiro (BA) – Petrolina (PE).

Esta ação faz parte do projeto “Em direção à sustentabilidade alimentar: reformulando a coexistência de diferentes sistemas alimentares na América do Sul e na África”, que busca compreender as dinâmicas entre sistemas alimentares sob o foco da sustentabilidade.

A comitiva estrangeira foi recebida em Juazeiro pelo diretor da Área de Gestão de Empreendimentos de Irrigação (AI) da Codevasf, Luís Napoleão Casado, pela gerente de Apoio à Produção da AI, Andrea Rachel Ramos Cruz Souza, e por técnicos da 6ª superintendência regional da Companhia, sediada na cidade baiana.

A iniciativa da visita foi da estudante brasileira na Suíça Emily Aparecida Ferreira Brandão, que integra um grupo de estudos formado por Johanna Jacobi, membro do Departamento de Geografia Humana e pesquisadora sênior da CDE; Freddy Delgado, diretor do Centro Universitário Agroecológico (Agruco) da Universidade boliviana de Cochabamba; e Stephan Rist, do Departamento de Geografia Humana da universidade sueca e coordenador do CDE, responsável pela realização das pesquisas.

A programação incluiu palestra sobre a Codevasf e suas ações, realizada na superintendência regional da Companhia pelo gerente regional de irrigação, Luiz Manoel de Santana. Em seguida a comitiva foi levada ao projeto público de irrigação Maniçoba, localizado a aproximadamente 35 quilômetros da cidade, onde foi recebida pelo gerente-executivo do Distrito de Irrigação de Maniçoba (DIM), Valter Matias de Alencar. O grupo foi apresentado ao trabalho do Distrito e aos resultados obtidos pelos produtores do projeto de irrigação. Também fizeram parte das atividades visitas ao lote de um pequeno produtor e à principal estação de bombeamento do Maniçoba.

Depois de Maniçoba, o grupo foi ao projeto de irrigação Curaçá, em Juazeiro – a 75 quilômetros da sede municipal. Os pesquisadores foram recebidos pelo gerente comercial da IBACEM Agrícola, empresa do vale do São Francisco que produz e exporta frutas como manga e uva. A comitiva conheceu as práticas produtivas desenvolvidas no local e visitou um pomar de mangas em fase de floração e uma plantação de uvas sem semente; em seguida, acompanhou os processos fitossanitários a que são submetidas as frutas para exportação.

De acordo com a organizadora da expedição, a estudante de doutorado Emily Brandão, que teve a ideia de trazer a projeto ao semiárido, a escolha do semiárido deve-se ao fato de que “os níveis de pobreza, apesar de todo o avanço tecnológico na agricultura, ainda são consideráveis e presentes”. A pesquisadora estuda a integração entre sistemas alimentares que fazem parte da cadeia de produção de frutas. “Este projeto estuda o conceito de sustentabilidade alimentar em cinco dimensões: pobreza e desigualdade, resiliência e integridade, ambiental, direito à comida e segurança alimentar”, explica.

Veja fotografias:
https://www.flickr.com/photos/codevasf/sets/72157696229652521/

atualizado em 13/06/2018 16:42