Você está aqui: Página Inicial > Notícias > 2017 > Codevasf realiza recuperação hidroambiental de 165 microbacias na porção mineira do São Francisco
conteúdo

Notícias

Codevasf realiza recuperação hidroambiental de 165 microbacias na porção mineira do São Francisco

A preservação e a recuperação hidroambiental de 165 microbacias na porção mineira da bacia do São Francisco - um investimento federal de R$ 64,4 milhões - é um dos destaques da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) para esta quarta-feira, 22 de março, quando se celebra o Dia Mundial da Água segundo o calendário da Organização das Nações Unidas (ONU). Desse total, já foram realizadas intervenções em 66 microbacias; para este ano, está previsto o início das ações em mais 70.
publicado: 22/03/2017 09h05, última modificação: 20/06/2018 17h35

Ação é destaque no Dia Mundial da Água, cuja celebração no Norte de Minas inclui palestra, peixamentos na bacia e participação na Expedição Pedais aos Montes

A preservação e a recuperação hidroambiental de 165 microbacias na porção mineira da bacia do São Francisco - um investimento federal de R$ 64,4 milhões - é um dos destaques da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) para esta quarta-feira, 22 de março, quando se celebra o Dia Mundial da Água segundo o calendário da Organização das Nações Unidas (ONU). Desse total, já foram realizadas intervenções em 66 microbacias; para este ano, está previsto o início das ações em mais 70.

As ações de revitalização da bacia hidrográfica do rio São Francisco e também o reuso de água na reprodução de peixes integram a agenda da 1ª Superintendência Regional da Codevasf, sediada em Montes Claros, no Norte de Minas. A comemoração conta com palestra, peixamentos, estande no Parque Municipal Milton Prates e participação na Expedição Pedais aos Montes.

“As ações de revitalização executadas pela Codevasf têm entre seus objetivos a melhoria da qualidade de água e o aumento do volume de água na bacia”, afirma o superintendente regional da Codevasf, Rodrigo Rodrigues.

Desde o início das ações, em 2005, já foram cercadas e protegidas 1.170 nascentes; implantados 1.487 quilômetros de cerca, com vistas à proteção de áreas de mata ciliar e topo de morro; implantadas 35.096 bacias de captação de enxurrada e implantados 1.543 quilômetros de terraços – além da readequação ambiental de 184 quilômetros de estradas vicinais.

“O cercamento visa proteger as nascentes, cursos d'água e áreas de recarga hídrica. Já as ações mecânicas – bacias de captação de enxurradas, terraceamento e adequação de estradas vicinais – retêm as enxurradas, aumentam a infiltração da água no solo e minimizam os efeitos das enxurradas, evitando a erosão e o assoreamento de rios, veredas e nascentes. Com isso, as águas infiltradas no solo alimentam os lençóis freáticos que, consequentemente, abastecerão as nascentes”, explica gerente regional de Revitalização da Codevasf em Minas Gerais, Sidenísio Lopes.

Em Minas Gerais, os principais parceiros da Codevasf para executar essas ações são o Governo do Estado de Minas Gerais – por meio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (SEAPA), Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Emater-MG e a extinta Ruralminas – prefeituras municipais, organizações não governamentais (ONGs) e associações de produtores.

Reuso de água

Como parte das ações de revitalização, a Codevasf investe no desenvolvimento e estudo de novas tecnologias. Desde 2014, o engenheiro de pesca e chefe do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Gorutuba, em Nova Porteirinha (MG), Maurício Grós, pesquisa o reuso de água na reprodução de peixes. A tecnologia consiste no aumento da capacidade de produção de peixes com a redução do espaço de cultivo e, principalmente, com a economia de água.

“A tecnologia baseia-se na cultura de uma colônia de bactérias que sequestram o nitrogênio amoniacal, reciclando a água do cultivo e evitando a emissão de efluentes para o meio ambiente. Essa tecnologia é própria para ser usada na região de semiárido por causa da escassez de água. Em Israel, a aquicultura é desenvolvida basicamente com essa técnica”, explica o chefe do Centro Integrado de Gorutuba.

Segundo Maurício Grós, garantir a segurança hídrica dos Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura da Codevasf está entre os objetivos da pesquisa, pois a tecnologia permite uma considerável redução do uso de água. Ele aponta que outras vantagens do sistema são: aumento de produtividade; menor impacto ambiental; maior biossegurança, aumentando a sobrevivência dos peixes; redução no gasto de ração; menores áreas de cultivo; e redução de mão de obra.

Peixamentos

PeixamentosEm comemoração ao Dia Mundial da Água, a 1ª Superintendência Regional da Codevasf programou uma série de peixamentos para o mês março. Serão mais de 20 mil alevinos de curimatã pacu inseridos na porção mineira da bacia hidrográfica do São Francisco. As espécies foram produzidas pelo Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Três Marias.

Nesta quarta, às 13h, no município de Lagoa da Prata, serão soltos cinco mil alevinos no rio São Francisco. Já, às 14h30, no município de Luz, serão inseridos mais cinco mil alevinos.

Na próxima quarta (29), está previsto mais um peixamento, dessa vez, no município de Itaúna. Além desses, a Codevasf realizou outros dois peixamentos em março, que resultaram na inserção de mais dez mil alevinos de curimatã pacu em trechos da bacia do rio São Francisco nos municípios de Pompéu e Martinho Campus.

Todas essas ações de repovoamento contam com a participação das prefeituras municipais e da sociedade desses municípios.

Ainda como parte da programação, na manhã desta quarta (22), às 8h, o biólogo e chefe do Centro Integrado de Recurso Pesqueiro e Aquicultura de Três Marias, Edson Vieira Sampaio, vai ministrar uma palestra sobre o “Rio São Francisco, Lagoas Marginais e Peixamentos” para cerca de 100 alunos, dos 6º e 7º ano do ensino fundamental, na Escola Municipal Antônio Fonseca Leal, em Três Marias (MG). Em 2016, somente o Centro de Três Marias produziu cerca de 1,2 milhão de alevinos de espécies nativas da bacia, usados em ações de peixamento.

Programação municipal

Ao longo do Dia Mundial da Água, das 8h às 16h, a Codevasf também participará da programação organizada pela Prefeitura de Montes Claros, em parceria com diversas instituições, no Parque Municipal Milton Prates. A Companhia dividirá um estande com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

O evento contará com a “Expedição Pedais aos Montes”, promovida pelo Grupo de Ação Ambiental Sertão Calango e a Secretaria de Meio Ambiente. A Codevasf apoiará a expedição com a doação de mudas de espécies florestais que serão plantadas nos locais visitados, além de ações de educação ambiental. A expedição sairá do parque municipal às 8h e passará pelas comunidades de Mocambinho, Antônio Olinto, Bora e Quinta da Serra – na zona rural de Montes Claros.

ONU

A celebração do Dia Mundial da Água foi instituída pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) em 1993. Neste ano, o tema escolhido foi “Águas residuais” – o termo designa os recursos hídricos que após serem usados em alguma atividade humana deixam de ser próprios para consumo, mas que podem ser tratados para reaproveitamento ou para adequada reabsorção pela natureza.

Segundo a ONU, mais de 80% do esgoto produzido no mundo volta à natureza sem ser tratado e cerca de 1,8 bilhão de pessoas usam fontes de água contaminadas por fezes.

As atividades para o Dia Mundial da Água são lideradas pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (ONU Meio Ambiente), a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e o Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos (ONU-HABITAT).

Fotografia: https://www.flickr.com/photos/codevasf/sets/72157671185105110