Você está aqui: Página Inicial > Linhas De Negócio > Desenvolvimento Territorial > Recursos Pesqueiros e Aquicultura
conteúdo

Recursos Pesqueiros e Aquicultura

por Danilo publicado 07/11/2017 12h00, última modificação 15/08/2018 16h36

Nas últimas décadas, a bacia do rio São Francisco vem sendo utilizada para a geração de energia elétrica, por meio da implantação de um grande complexo de reservatórios, como o de Três Marias, em Minas Gerais, de Sobradinho, na Bahia, dentre outros. Entretanto, os sucessivos barramentos provocaram o surgimento de obstáculos à migração reprodutiva dos peixes e, assim, restringiram acentuadamente as cheias à jusante desses reservatórios, reduzindo as oportunidades de enchimento das lagoas marginais, que funcionam como berçários para dezenas de espécies da ictiofauna, prejudicando drasticamente os estoques pesqueiros naturais e, por consequência, a pesca profissional.

Em cumprimento à legislação pertinente, a Codevasf implementou o Programa de Aquicultura e Recursos Pesqueiros, com a construção e operacionalização de sete Estações de Piscicultura no vale do São Francisco, com vistas à produção de alevinos de espécies de peixes de importância econômica, como fomento à piscicultura comercial e ecológica, visando a recomposição da ictiofauna. Recentemente, as Estações de Piscicultura foram transformadas em Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura.

Conheça melhor:

 

Os objetivos dos Centros Integrados são:

  1. Desenvolver tecnologias de reprodução artificial, larvicultura e alevinagem de espécies nativas da bacia do rio São Francisco, incrementando o quantitativo de alevinos e de espécies adequadas à reposição da ictiofauna;

  2. Incrementar as ações de repovoamento nos corpos hídricos (rios, reservatórios, açudes, etc.) visando a recomposição dos estoques pesqueiros, como suporte à pesca artesanal;

  3. Desenvolver estudos físicos, químicos e biológicos, para o monitoramento da qualidade da água da bacia;

  4. Fomentar a aquicultura na área de abrangência da Empresa, alicerçada nos conceitos de sustentabilidade social, ambiental e econômica;

  5. Desenvolver estudos de Biologia Pesqueira, visando fornecer subsídios para a correta administração da pesca;

  6. Capacitar pescadores, técnicos, produtores e estudantes em técnicas de propagação artificial de peixes, conservação ambiental, limnologia e técnicas de criação de peixes;

  7. Divulgar conceitos de educação ambiental, com foco nos recursos pesqueiros e ictiofauna, aumentando a consciência ecológica da população;

  8. Apoiar a organização e estruturação de associações/cooperativas de pescadores artesanais e de produtores;

  9. Apoiar a fiscalização ambiental;

  10. Apoiar as atividades de gestão participativa e compartilhada dos recursos pesqueiros.

Vista aérea do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Betume, localizado no município de Neópolis, SE

 

Nos Centros Integrados da Codevsf são desenvolvidos pacotes tecnológicos em reprodução artificial, larvicultura e alevinagem de espécies nativas da bacia do rio São Francisco; pacotes tecnológicos em aquicultura adaptados à realidade local, como o que trata da criação artificial de peixes em canais de irrigação; transferência de tecnologia e assistência técnica a produtores rurais; estudos sobre as lagoas marginais do rio São Francisco; estudos sobre a caracterização limnológica, ictiológica e de biologia pesqueira, visando a produção de modelos de manejo ambiental de grandes reservatórios d'água. Esses trabalhos vêm sendo realizados em parceria com várias instituições, dentre as quais as Universidades Federais de Minas Gerais (UFMG), de São Carlos (UFSCar), de São Paulo (USP), de Alagoas (UFAL), de Viçosa (UFV) e do Piauí (UFPI), a Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), Embrapa, Ibama e as Centrais Elétricas de Minas Gerais – CEMIG, dentre outros. Foram nesses Centros Integrados onde se obteve, pela primeira vez, a reprodução artificial de 27 espécies de peixes de importância econômica e ecológica para a região, destacando-se, dentre elas, o surubim (Pseudoplatystoma corruscans) e o pirá (Conorhynchos conirostris).

Na década de 80, a Codevasf adquiriu no exterior, adaptou, gerou e disseminou a técnica de reprodução artificial em peixes, produzindo anualmente cerca de 18 milhões de alevinos. Graças a este trabalho, foram instaladas dezenas de estações de piscicultura públicas e privadas no país, sendo estimada a produção de 600 milhões de alevinos/ano.

VALE DO PARNAÍBA 

A Codevasf, também com atuação no vale do rio Parnaíba, investiu na conclusão e na recuperação de obras civis, na aquisição de veículos e equipamentos e no auxilio à operação de 4 estações de piscicultura públicas no Estado do Piauí: Estação de Piscicultura Adhemar Braga, do DNOCS, no Município de Pirirpiri; Estação de Piscicultura de Nazária, pertencente ao Governo do Estado do Piauí, no Município de Teresina; Estação de Piscicultura da Universidade Federal do Piauí, em Teresina; e Estação de Piscicultura de Porto Alegre do Piauí, pertencente a prefeitura daquele município. Neste mesmo estado, recentemente, foi implantado o Centro de Referência em Aquicultura e Recursos Pesqueiros do Parnaíba – CERAQUA-PHB, no município de Parnaíba-PI, juntamente com o Governo do Estado do Piauí e a Embrapa, para desenvolvimento de estudos com espécies estuarinas e marinhas.