Document Actions
Vulnerabilidade social é discutida na Codevasf em oficina sobre ações de revitalização do São Francisco

Vulnerabilidade social é discutida na Codevasf em oficina sobre ações  de revitalização do São Francisco

As questões ligadas à vulnerabilidade social que afetam as ações de revitalização do São Francisco foram discutidas na 1ª Oficina de Trabalho da Câmara Técnica do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CT- PRSF), realizada na sede da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf), em Brasília, na última quarta-feira (13). A oficina integra um estudo estratégico de suporte às ações de revitalização, coordenado pela Codevasf. Participaram da reunião técnicos da Companhia e representantes dos órgãos parceiros na revitalização do Velho Chico.

No encontro, as instituições apresentaram e discutiram propostas sobre o tema. O objetivo foi identificar os elementos de vulnerabilidade social que interferem nas ações do Programa de Revitalização. Como resultado da reunião, foi elaborado um painel contendo os subsídios para a Carteira Estratégica de Ações, como identificação, espacialização e causa dos aspectos críticos, a partir das discussões sobre os estudos apresentados.

O gerente de Meio Ambiente da Codevasf, Sérgio Henrique Alves, destaca a importância da reunião, de acordo com o objetivo do Programa de Revitalização. “Um dos objetivos do programa é melhorar a condição socioeconômica da população da bacia do São Francisco. O encontro foi uma oportunidade pra definirmos fatores críticos à decisão no que diz respeito à vulnerabilidade social”, explica.

Irani Braga, assessor especial do ministro da Integração Nacional, também apontou a importância da oficina. Segundo ele, “o Ministério da Integração Nacional considera essa oficina como parte de uma agenda estratégica do Programa de Revitalização que é muito importante para sua própria organização. É sempre importante e essencial para nós, gestores públicos, que os recursos públicos sejam aplicados da melhor forma possível para se obter os melhores resultados”, esclareceu.

No último encontro, realizado no dia 25 de outubro, ficou definido que as instituições integrantes da CT-PRSF e outras eventualmente convidadas irão propor uma estratégia de longo prazo para o Programa; uma carteira estratégica de ações – conjunto de ações específicas – de curto e longo prazo; a sistemática de monitoramento e avaliação das ações, incluindo indicadores.

Estiveram presentes na oficina, além de técnicos da Codevasf, representantes do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Casa Civil, Agência Peixe Vivo e dos ministérios do Meio Ambiente, Desenvolvimento Social, Integração Nacional e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.

Sobre a Câmara Técnica

Em 9 de agosto de 2016, o Decreto nº 8.834, da Presidência da República, reorganizou o Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco e instituiu a Câmara Técnica, presidida pelo Ministério da Integração Nacional – responsável pelo planejamento, interlocução e integração entre os diversos órgãos que compõem o Comitê Gestor do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, além de propor ações, obras, metas, metodologias e sistemas de avaliação para o trabalho de revitalização do rio. As propostas são levadas para avaliação do Comitê Gestor do Plano Novo Chico, presidido pela Casa Civil da Presidência da República.

Os eixos principais das ações são: planejamento e monitoramento; gestão e educação ambiental; proteção e uso sustentável dos recursos naturais; saneamento, controle de poluição e obras hídricas; e economias sustentáveis. A Codevasf participa da coordenação de um dos eixos de trabalho, no qual serão propostos objetivos, metas e indicadores relacionados a economia sustentável, contribuindo, ainda, com os demais eixos.

atualizado em 14/12/2017 17:39