Document Actions
Programa de controle de processos erosivos da Codevasf beneficia Norte de Minas e é reconhecido pela ANA

Programa de controle de processos erosivos da Codevasf beneficia Norte de Minas e é reconhecido pela ANA

Um dos temas que será abordado no Fórum Mundial da Água, que acontecerá em Brasília entre os dias 18 e 23 de março e pela primeira vez no Hemisfério Sul, será a questão da desertificação de áreas, causadas pelos mais diversos motivos, entre eles as mudanças climáticas. Desde 2008, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) tem investido na recuperação de áreas degradas susceptíveis à desertificação do Norte de Minas Gerais, como parte do Programa de Recuperação e Controle de Processos Erosivos, no âmbito das ações de Revitalização da Bacia Hidrográfica do São Francisco. No final de 2017, a Agência Nacional de Águas (ANA) reafirmou que o programa contribui para as boas práticas na gestão de recursos hídricos.

Um dos focos do programa está na proteção e recuperação de nascentes, ação que também está entre as prioridades do governo federal no Plano Novo Chico. Um total de 167 nascentes, 259 km de matas de topo de morro e matas ciliares foram protegidas com cercas. Também foram realizadas outras práticas de controle dos processos erosivos, como a construção de 623 km de terraços, implantação de 13,3 mil barraginhas e a recuperação de 111 km de estradas vicinais rurais não pavimentadas.

“No período entre 2018 e 2019, está no nosso planejamento a realização de ações de controle de processos erosivos em cerca de 60 sub-bacias hidrográficas, da região susceptível à desertificação no trecho mineiro da bacia hidrográfica do rio São Francisco”, informa Leila Lopes, gerente da Área de Empreendimentos Sócios Ambientais da Codevasf.

A conclusão do programa está prevista para 2019, com previsão de um total de R$ 18,3 milhões. Os recursos estão sendo aplicados por meio de convênio e de termo de compromisso firmados entre a Codevasf e o governo do estado de Minas Gerais.

O Programa

O Programa de Recuperação e Controle de Processos Erosivos desenvolve práticas que promovem a conservação de água, solo e recursos florestais em pontos que estejam sofrendo processos erosivos críticos, nas bacias hidrográficas dos rios São Francisco, Parnaíba, Mearim e Itapecuru.

Em Minas Gerais, são desenvolvidas ações conservacionistas de solo e água, com técnicas mecânicas, vegetativas que tem por objetivo recuperar a capacidade produtiva e a recarga hídrica do solo na região Norte do Estado. Estima-se que essas ações beneficiem uma população rural de cerca de 200 mil habitantes, em 59 municípios, em áreas susceptíveis à desertificação. As ações reduzem os efeitos da seca prolongada e da degradação pelas mudanças climáticas e estão de acordo com os parâmetros do Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação (Pan Brasil).

“Por meio de parceria com os governos estaduais e municipais, tendo como objetivo apoiar as ações de conservação hidroambiental, o nosso programa contribui para a melhoria da quantidade e de qualidade de água na região. Isso está diretamente ligado ao desenvolvimento regional, que é uma das principais missões da Codevasf”, afirma o engenheiro florestal Camilo Cavalcante de Souza, da Unidade de Conservação de Água, Solo e Recursos Florestais da Codevasf.

Trabalho reconhecido

Com o Programa de Recuperação de Áreas Degradadas Susceptíveis à Desertificação do Norte de Minas Gerais, a Codevasf participou, no final de 2017, da 6ª edição do Prêmio ANA na categoria “Governo”, tendo sido reconhecida pela sua contribuição para o fortalecimento das boas práticas na gestão dos recursos hídricos. Em 2014, a empresa ficou entre os três finalistas na mesma categoria.

De acordo com o diretor da Área de Revitalização da Codevasf, Inaldo Guerra, “a participação da empresa num evento dessa repercussão e próximo à realização do Fórum Mundial da Água é de extrema importância. Nosso trabalho merece ser divulgado sempre, porque temos uma vasta experiência em programas, projetos e ações de desenvolvimento, com foco na preservação do meio ambiente, nas áreas em que atuamos nas bacias hidrográficas dos rios São Francisco, Parnaíba, Itapecuru e Mearim”.

O Prêmio ANA foi criado em 2006. É um reconhecimento aos profissionais do setor de recursos hídricos e tem o propósito de prestigiar as boas práticas relacionadas à água, com contribuição para a gestão e o uso sustentável, combatendo a poluição e o desperdício além de apontar caminhos para assegurar água de boa condição em quantidade suficiente para o desenvolvimento e a qualidade de vida das atuais e futuras gerações.


Fotografias:

https://www.flickr.com/photos/codevasf/sets/72157665041245088

atualizado em 26/01/2018 11:24